E o Silêncio Ataca...

dezembro 29, 2012



... Pois é. É o que me acontece com cada blog! Acabo por não ter nada para dizer, e mesmo assim, quem vai ler? *suspiro* Mesmo assim, vou dizer para aqui umas coisas...



Não, infelizmente não é a minha pessoa que se encontra na foto (esta foi roubada deste blog, obrigada Google), mas é apenas para dizer que leio acima de tudo na cama. Ou então vamos fazer isto doutra maneira...

Sítios onde leio:

- Cama
- Cama
- Cama
- Café (quando a conversa do lado não me agrada distrai)
- Transportes Públicos (se o meu mp3 não tiver pilhas)

Penso que todos já perceberam, sim, é na cama que mais leio... Mas como sou uma pessoa mesmo poupada e tal, nunca leio com a luz do candeeiro, ao invés, pego no meu telemóvel, e com a luz dele fico ali a ler, deliciada. De 10 em 10 minutos lá tenho de tocar no ecrã para não ficar às escuras, ou o telemóvel de alguma maneira misteriosa dá uma cambalhota e perco-o no meio dos lençóis, mas uma pessoa lá se desenrasca.

Ler com música ou sem música?

Melhor música ambiente: o Bam a ronronar no meu colo... É o som preferido que posso ter enquanto leio, descontrai, não distrai, e é um dos melhores sons do mundo. =)

 (imagem daqui)

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.