20 de Março - Dia Internacional do Contador de Histórias

março 20, 2013



Melhor forma de comemorar a chegada da Primavera? Comemorar o Dia Internacional do Contador de Histórias!

"Era uma vez...



Um velhinho, muito velhinho, tão velhinho que as águas do lago de sua casa e as rochas das montanhas lá ao fundo se tinham esquecido da sua idade. A sua companhia nos dias frios da Suécia era um livro, que retirava de uma pilha deles, desordenada, poeirenta, acarinhada. Ou então sentava-se pacientemente na sua secretária de madeira, vergada pelo tempo e pelo uso, e esperava que as palavras fluíssem magicamente da ponta da sua caneta. 

Um dia, corria o ano de 1991, o velhinho ouviu num sussurro do vento que se ia comemorar o Dia de Todos os Contadores de Histórias. Pegou nos seus manuscritos, e fez-se ao caminho. Chegado ao destino, encantou-se: um pequeno grupo de miúdos e graúdos divertia-se, contando histórias uns aos outros. O velhinho decidiu não participar desta vez, deixando para o ano seguinte.
No ano seguinte o velhinho voltou à estrada, e no ano seguinte, e no ano seguinte... Nas suas viagens era surpreendido com as histórias que os passarinhos contavam, de pessoas que se juntavam neste dia para comemorar o mesmo, fosse na América do Sul ou na Austrália, tão longe da sua terra natal. E nos anos a seguir, com um sorriso infinito soube que o mesmo se passava noutros países, tantos que lhes perdia a conta.

Ainda hoje o velhinho não perde esta comemoração. Nunca da sua boca saiu uma história, mas nos seus olhos brilhantes estas perdiam-se em horizontes e sonhos longínquos.



E... ouvi eu dizer de um passarinho que passou agora aqui... A cada 20 de Março, a cada comemoração do Dia Internacional do Contador de Histórias, podemos sentir a presença do velhinho, a ouvir as nossas histórias."

Aqui fica a minha pequena e apressada contribuição para este dia, adaptada daqui.
E vocês, vão fazer algo hoje?

You Might Also Like

4 comentários

  1. Olá Nádia,

    Belo contributo para valorizar e promover este dia, como sabes, conheço uma pessoa que faz desta arte o seu modo de ganhar a vida e é algo que admiro muito.

    Por acaso até lhe dediquei uma mensagem no blogue, adorei a tua adaptação do texto :)

    Bjs e muita magia pela frente :)

    ResponderEliminar
  2. Olá Fiacha!

    Pois, eu não conheço o contador mas já ganhou aqui mais uma admiradora, quanto mais não seja pela coragem, inovação e o sonhador que há nele :)

    Obrigada!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Olá :)
    Está a chegar este dia fantástico.
    Gostei muito da tua adaptação, partilharei contigo o 20 de Março de 2014, pois para mim terá um sentido muito especial :)
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já não me lembrava deste post, tive de o reler! :) Quero dizer, sabia que tinha algo sobre este dia mas não me recordava que era isto :)

      Acredito que tenha, minha querida Caminhante :) Vai haver alguma coisa especial neste dia? Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.