A Ler: A Essência do Sangue, de Caryl Phillips [pela Bizâncio] - Sinopse

março 21, 2013


Título: A Essência do Sangue
Título Original: The Nature of Blood
Editora: Editorial Bizâncio
Ano de Publicação: 1999
Número de Páginas: 188

Caryl Phillips oferece-nos um romance eloquente, poderoso e provocador: uma história fascinante e comovente sobre vidas aparentemente muito diferentes, mas que, no entanto, estão ligadas, através das fronteiras e dos séculos, pelas circunstâncias, pelo espírito e pelo sangue. As personagens centrais do romance, principalmente uma jovem judia alemã, cuja vida é marcada pelas atrocidades da Segunda Guerra Mundial, e um general africano contratado pela Republica Veneziana para liderar os seus exércitos durante o século XVI, são gente que arrasta consigo o estigma de crises pessoais e sociais, através de cujas histórias se revela a velha obsessão europeia com a raça, a identidade e a diferença: o sangue, em suma.

You Might Also Like

1 comentários

  1. Olá,
    Acho q tinha muito tempo q eu não vinha aqui, me desculpe, mas gostaria de falar q o livro a Essência do sangue de fato parece ser bom, li sua resenha e o achei muito interessante, só espero encontrá-lo aqui no Brasil. :P
    Bom...fico por aqui,

    Abraços e boas leituras!

    ResponderEliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.