domingo, 26 de maio de 2013

Eu, Ela e os Vampiros, de Carlos Rodrigues - Sinopse & Opinião [Chiado]

Eu, Ela e os Vampiros
Título: Eu, Ela e os Vampiros
Autor: Carlos Rodrigues
Editora: Chiado Editora
Ano de Publicação: 2012
Número de Páginas: 148


"A noite sempre foi o seu palco favorito, embora nos últimos tempos, agraciados com o imenso poder do Vampiro Supremo que tinha grande parte do seu mundo no seu controlo, pouco se cuidavam com a estratégia dos seus ataques, destruindo tudo e todos à sua passagem, sem cessar, sem misericórdia..."
Na mente de Diana surgiu o globo azul que, lentamente, era tingido por manchas negras, ouviu gritos de dor, viu homens a lutarem contra sombras roxas e aldeias a serem destruídas. Florestas inteiras ardiam e os montes cediam à força de um exército negro que, liderado por uma criatura grotesca, marchava sobre o mundo...
Mesmo quando todo o mundo parecia conquistado, uma intensa luz branca brilhou e fez a onda negra recuar. A luz branca fez a Diana virar-se na cama repetidamente, até despertar, encharcada em suor."


Não sabia bem o que esperar deste livro. Como podem perceber, a sinopse trata-se de um excerto do livro, portanto eu não tinha a mínima ideia que tipo de história era. Baseei a minha escolha na curiosidade do que se passava nas visões de Diana, as florestas e montes a arderem, e pelo facto de existir um Vampiro Supremo, o que significava que havia boas hipóteses de os vampiros serem os maus da história, não havendo lugar para serem objecto de amor por parte de alguma rapariga.
Eu, Ela e os Vampiros é uma obra virada para um público mais jovem, mas de vez em quando, aos mais velhos, é bom voltar a estas leituras e ver o que mudou nelas desde que fomos jovens!

E a história não me enganou. Os vampiros são mesmo uma raça a exterminar e não há nenhum relação amorosa entre humanos e seres sobrenaturais. Apesar de no início ter estranhando um pouco a forma como as lutas eram descritas, cheias de raios coloridos e explosões, ao longo do livro fui-me habituando e consegui imaginá-las não de uma forma tão à desenho animado, mas sim como algo mais sério. E isto é um dos pontos altos deste livro, é que há acção de uma ponta à outra. Não é um livro em que a tensão se acumula desde o início e a meia dúzia de páginas do fim se dá uma grande batalha; estamos perante constantes lutas, que apesar do seu lado físico nos vão mostrando a evolução emocional das personagens principais, sobretudo do narrador, Carlos.
Um aspecto do livro que me conquistou foi o facto de a acção ser passada no Porto. É um pequeno pormenor, mas ler um livro que menciona a Igreja de S. Francisco e o Soares dos Reis, sítios que conheço tão bem e me dizem tanto, ajudou-me a ganhar um apego maior ao livro, relacionado com os sítios citados.

É um livro pequeno mas que promete continuação. Há ainda alguns pormenores que ficaram por explicar: a história dos vampiros, a relação das duas personagens principais, se evolui ou não, com quem é que a mãe de Carlos se encontrou, e há ainda uma outra personagem que eu fiquei com pena de não se ter rebelado e passado para o outro lado... Tudo isto são suposições minhas, e não posso dar muitos detalhes, mas gostaria de ver estes pontos mais explorados! Vamos ver o que Carlos Rodrigues nos traz...
O facto de ser um livro pequeno também faz dele uma leitura muito rápida e leve, e por toda a acção que o enche de início ao fim, dá a sensação de ainda ser de leitura mais rápida.

Eu, Ela e os Vampiros é um livro ideal para se ler e descansar entre leituras mais complicadas. Foi um bálsamo para mim, que estava a ler outros dois livros mais difíceis e poder refugiar-me no mundo de Carlos e Diana foi muito bom. Agora, que venha a continuação da obra!

1 comentário :

  1. Olá,

    Parece uma leitura leve e agradável, fiquei curioso ;)

    Bjs

    ResponderEliminar

Obrigada pela visita!