Aconteceu Hoje... E Ontem! 21.07 e 22.07

julho 22, 2013

Pois é, ontem não pude actualizar o blogue e portanto esta rubrica e o 45 Day Book Challenge vão ter de ser a dobrar. Vamos lá!

21 de Julho




Em 1899, nasce Ernest Hemingway, vencedor do Prémio Nobel e Pulitzer. Entre a sua obra destacam-se Por Quem os Sinos Dobram, O Adeus às Armas, Fiesta e O Velho e o Mar.





Jonathan Miller, 1986.jpg 




Em 1934, nasce o escritor e encenador inglês Jonathan Miller.





22 de Julho

Em 1598, o Mercador de Veneza, de William Shakespeare, dá entrada no Stationer's Register. Apesar de este registo permitir a sua publicação, a primeira versão da peça só será publicada passados dois anos.







Em 1849, nasce a poetisa americana Emma Lazarus, cujo poema The New Colossus está gravado na base da Estátua da Liberdade.









Stephen Vincent Benét Yale College BA 1919.jpg






Em 1890 nasce o poeta americano Stephen Vincent Benet, autor de The Devil and Daniel Webster e vencedor de um Pulitzer.








Em 1893, Katharine Lee Bates, professora da Faculdade de Wellesley, escreve o poema America the Beautiful, em Colorado Springs (Colorado), inspirada pela vista do pico de Pike.
Katherine Lee Bates.jpg


[Fonte: Hoje na História]

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.