[Desafio Literário O] O Fantasma dos Canterville e Outros Contos, de Oscar Wilde - Sinopse

julho 20, 2013

O Fantasma dos Canterville e Outros Contos (Biblioteca OS GRANDES GÉNIOS DA LITERATURA UNIVERSAL, #14)
Título: O Fantasma dos Canterville e Outros Contos
Título Original: The Canterville Ghost and Other Stories
Autor: Oscar Wilde
Editora: Mediasat
Ano de Publicação: 2004
Número de Páginas: 220

Quatro trabalhos brilhantes do autor, incluindo O Rouxinol e a Rosa, O Notável Foguete e O Jovem Rei, entre outros, e a história que dá o título ao livro, sobre um fantasma que tenta assustar os novos habitantes da mansão que assombra.
"Quando o Sr. Hiram B. Otis, o Ministro americano, comprou o espaço da Coutada de Canterville todos lhe disseram que era uma decisão insensata porque não havia dúvida alguma de que aquela terra estava assombrada."

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.