Li até à Pág.100 #8

julho 23, 2013

Catarina de Aragão

Catarina de Aragão - A Princesa Determinada (The Tudor, #1)

Primeira frase da página 100:
"[Sou] uma mulher jovem, apaixonada pelo meu marido."

Do que se trata o livro?
É a história do início da dinastia Tudor, quando a Infanta Catarina, de Espanha, se casa com o príncipe Artur, de Inglaterra.

O que está achando até agora?
Estou a adorar este livro. 

O que está achando do protagonista?
Catarina de Aragão é uma jovem e, por isso, está vulnerável a todos os aspectos positivos e negativos da sua tenra idade. Mas apesar de tudo parece-me uma rapariga insegura para si mas forte e corajosa para todos.

Melhor quote até agora:
Não é assim nada de transcendente, mas gostei tanto disto: "Esqueci-me de que era marido. Não sabia que tinha de ser um marido. Não percebi que vos podia fazer chorar. Nunca mais o farei." É tão simples, e tão romântica!

Vai continuar lendo?
Estou ansiosa para saber o final do livro!

Última frase da página:
"Passaram por uma grande praça de touros, com uma estalagem de madeira escura, enquanto os sinos da igreja da meia dúzia de [casas religiosas, universidade, capelas e no hospital de Ludlow começaram a tocar, para desejar as boas-vindas a casa, ao príncipe e à sua noiva]."

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.