Tag Viajando na Leitura

julho 15, 2013


Mais uma vez a Amanda deixou-nos aqui um miminho. Vamos lá :)

Regras:
Colocar o nome do blog que indicou esse selo;
Usar o banner original; 
Indicar mais de cinco blogs e avisá-los;
Responder à pergunta: "Qual a melhor viagem que você fez através da leitura e qual foi o livro?"

Tal como já disse, quem me entregou o selo foi a Amanda, do blogue Amanda, a menina e o vento. O banner já está ali, os cinco blogues nada... :) Agora, em resposta à pergunta, vou tentar ser o mais justa possível.

Não posso eleger apenas um livro que me tenha levado numa viagem fantástica. Dum lado tenho Anne Bishop com o seu universo Ephemera, que considero simplesmente genial, e do outro lado, tenho Alexandre Dumas, que me leva com a sua Dama das Camélias à Paris do século XIX. Tenho Juliet Marillier com o seu mundo mágico e Michelle Lovric com a sua Veneza apaixonante. Tenho Germano Silva que me delicia com as suas histórias do meu Porto, e tenho Oscar Wilde, que me leva a visitar a sua Inglaterra. Cada livro é um livro e uma viagem única, portanto não posso com toda a justiça eleger a melhor. São todas tão boas, tão necessárias, tão nossas, que não posso escolher apenas uma.

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.