quinta-feira, 12 de setembro de 2013

O Cronista, de Hugo N. Gerstl - Opinião [Estampa]

Título: O Cronista
Título Original: Scribe - The Story of the Only Female Pope
Autor: Hugo N. Gerstl
Editora: Editorial Estampa
Ano de Publicação: 2006
Número de Páginas: 462

A minha escolha de O Cronista baseou-se simplesmente na curiosidade pela sua história. Já uma vez aqui no blogue falei no quanto a história da Papisa Joana me fascina, e este livro pareceu-me ser uma boa aposta para conhecer um pouco mais da lenda. E devo dizer que o livro me conquistou ao ponto de eu falar sobre ele ininterruptamente; depois, acabou. E senti-me verdadeiramente frustrada com o final.

Mal comecei a ler o livro, fiquei ligeiramente desconfiada. Nas primeiras páginas encontramos a Nota do Tradutor, que vem assinada por Hugo N. Gerstl – sim, o próprio autor. Nesta nota o escritor afirma que as páginas seguintes tratam-se de uma tradução para uma linguagem corrente de um documento muito antigo, encontrado, e a sua veracidade, cabe ao leitor decidir. Estas palavras deixaram-me de imediato com a pulga atrás da orelha, e estava constantemente na dúvida se realmente seria verdade ou não.
Não estamos apenas perante a história de Joana e a sua ascensão na Igreja; aliás, a história é-nos contada do ponto de vista de Martin, um amigo de Joana, e é através deste que vemos o mundo e sabemos os factos do que acontece à sua volta. Por vezes, temos mesmo longos períodos de tempo em que nos esquecemos de Joana, e nos perdemos nas aventuras de Martin pela Europa da Idade das Trevas. Martin apresenta-nos a várias pessoas, a vários sítios, desabafa naquelas páginas e inconscientemente o retrato que nos passa é um retrato fiel e que nos permite viajar para aquele tempo. Martin tem uma vida extremamente interessante, e isso deixa-nos perdoá-lo pela omissão da vida de Joana tantas vezes.
Não há nada de negativo a apontar a este livro, a não ser, na minha opinião, o final. Sim, o livro estava a dar-me muito que pensar. Mas aquele final... eu não gostei. Foi um verdadeiro balde de água fria. Acredito que muitas pessoas gostem que a história termine da forma como está escrita – afinal, somos humanos, e gostamos do sentimento de felicidade. Mas continuo a achar que não devia acabar como acabou. É tudo muito bom, e não o devia ser.

"(...) comecei a entender que todos os seres humanos sofrem da mesma doença - a de serem humanos, com todas as suas forças e fraquezas, defeitos e pecados, e ainda assim, quando atingimos o que há de melhor em nós, talvez cada um possua uma centelha do divino."

De qualquer das formas, é um livro excelente. Se eu acredito na história da Papisa Joana? Prefiro dizer que gostaria de acreditar. Não tenho provas cabais que é verdadeira nem que é falsa, e ambas as partes têm bons argumentos; portanto, prefiro pensar que gostaria de acreditar. O Cronista, sendo as suas palavras verídicas ou não, mostra-nos uma sociedade de então bastante parecida com a que temos agora. Desde a procura de semelhantes de acordo com o intelecto de cada um, à criação de elites (elites talvez seja uma palavra forte demais, mas é óbvio durante a leitura do livro que há uma tendência para agrupar determinadas pessoas em determinados grupos), desde a corrupção da sociedade à corrupção na Igreja, temos nesta obra um espelho amarelecido do hoje.

Aconselho, portanto, O Cronista. E gostaria de saber qual a opinião dos que já leram o livro: gostaram do final? E, a verdadeira questão... afinal Joana foi Papisa?

4 comentários :

  1. Olá,

    Não li para te poder ajudar na tua questão mas que me parece um excelente livro isso sem duvida ;)

    Por vezes um final pode ser mau para uma pessoa e outra acha-lo bom, dai compreender que gostasses de saber outras opiniões :)

    Bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fiacha :)

      Pois, ainda não conheci ninguém que tivesse lido o livro e que me pudesse esclarecer, mas pronto :)

      Obrigada pela visita!
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Passando para conhecer o blog e já posso dizer que gostei muito dele e da forma que vc escreve.
    O livro não me agrada, não é o tipo de leitura que me prenderia.

    Estou seguindo seu blog para acompanhar as atualizações e sempre que puder fazer uma visita.
    Abraços

    http://reaprendendoaartedaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fernando!

      Muito obrigada pelas tuas palavras! E por seguires o blogue! Vou já já já dar uma vista de olhos no teu também :)

      Beijinhos e bom fim de semana!

      Eliminar

Obrigada por comentares :)