segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Vasco da Gama - O Caminho da Índia, de Elaine Sanceau - Opinião [Civilização]

Vasco da Gama O Caminho da Índia
Título: Vasco da Gama O Caminho da Índia
Título Original: Good Hope: The Voyage of Vasco da Gama
Autora: Elaine Sanceau
Editora: Civilização
Ano de Publicação: 2013
Número de Páginas: 239

Uma das mais recentes novidades da Civilização, este livro rapidamente me chamou à atenção. Achei engraçado uma autora que à partida me pareceu estrangeira escrever sobre algo tão nosso, tão Português. A curiosidade estava espicaçada e tive oportunidade de ler o livro, sem saber muito bem o que esperar da visão da escritora.

"Foi no desejo de contribuir um pouco para popularizar a narração da grande viagem de Vasco da Gama que escrevi este pequeno livro, que não se destina aos eruditos. Mas, como muita gente sente interesse por saber o que os outros disseram de si, pensei que os meus amigos portugueses, que receberam os meus outros livros com mais benevolência do que a que eles merecem, talvez gostassem também de ver este, embora nada de novo nele possam encontrar."

Assim lemos na mensagem escrita para os leitores Portugueses, e assim começa Vasco da Gama - O Caminho da Índia, onde Elaine Sanceau apresenta um relato minucioso da épica viagem do navegador, revelando ao leitor, através de uma linguagem precisa, correcta e contagiante, a importância desse momento na História Universal. Com um prefácio em que vinca exaustivamente o injustíssimo esquecimento a que são votados os pormenores da viagem de Vasco da Gama, apesar da sua fama universal, atribui-nos a nós, Portugueses, a culpa, por não termos nunca sabido valorizar suficientemente os nossos heróis, em contraste com outros povos. Citando directamente do livro, diz-nos Sanceau que "...as suas repercussões[da viagem] foram tão vastas e as suas consequências tão múltiplas, que é para duvidar se qualquer outra exerceu tal influência na Terra."
O livro está incrivelmente bem desenvolvido, e denota-se um trabalho de estudo, a roçar o amor à causa. Nele é pintado o retrato do mundo da época, retrocedendo no tempo para que percebamos o contexto social, económico e religioso que impeliu Portugal na aventura dos Descobrimentos, como pioneiro do conceito de globalização. São apresentados com rigor os mundos muçulmano e cristão, as motivações de ambos, o passado de ferocidade entre a cruz e o crescente, do qual nasceu o reino de Portugal. Do ponto de vista económico, é explicado de uma forma simples, porém rigorosa, como as especiarias e riquezas do Oriente chegavam à Europa, por terra, e como o Islão detinha o monopólio desse comércio. O mundo antes da viagem de Vasco da Gama é detalhadamente descrito, para melhor se perceber quão grande foi a mudança que nele se operou quando a armada Portuguesa largou amarras do Tejo em 1497.
Não se limita este livro a desenhar em nós rotas e Mapas Mundi. Elaine Sanceau denota um profundo conhecimento histórico e conta-nos os encontros com os vários povos indígenas e as diferenças entre eles; as dificuldades logísticas inerentes a uma viagem muito para lá do que alguma vez se tentara; fala-nos dos riscos e da bravura inquebrantável desses homens tenazes, encarando a ameaça permanente do desconhecido, da doença, da morte. Pinta descrições deliciosas das terras em que aportava Vasco da Gama e das suas gentes. Mostra-nos de maneira impressionante as conversas entre os Portugueses e os chefes Indianos, a ambiguidade do Samorim de Calecute e as intrigas movidas pelos muçulmanos. Em tudo isto, deixa antever o domínio português no Índico e a formação do Império.

Tudo pela mão de uma escritora inglesa de origem francesa, que se fixou em 1930 no Porto, desenvolvendo um grande interesse e apego à história de Portugal. A ela dedicou toda a sua vida e obra, nomeadamente no que concerne aos Descobrimentos e suas consequências. Tal facto é de suma importância e isso está bem patente no livro. Desenganem-se os que ainda podem ter dúvidas quanto à paixão da autora: para nós, Portugueses, foi escrito um prefácio propositadamente, como referido acima, e que decerto acalmará qualquer ponta de despeito para com Sanceau.

Não pensem porém que o nível de detalhe em todos os momentos do livro o tornam aborrecido ou académico. Não é um resumo de datas e factos. É uma obra apaixonante e apaixonada. É talvez este o condimento mais particular deste livro. Escreveu-o Elaince Sanceau, enamorada de Portugal e dos seus feitos, valorizando-os como nós talvez não valorizemos e cantando-os com um amor que nós próprios talvez não sintamos.  

2 comentários :

  1. Olá,

    Ora aqui está um livro como eu gosto, penso que no final, alem de um bom livro ficamos a conhecer um pouco melhor determinados factos da nossa história.

    Parabéns pelo teu excelente comentário, está muito bom :)

    Bjs e boas leituras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fiacha,

      Sim, sem dúvida, um bom livro :D
      Obrigada pelas palavras e visita ^^

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)