A Ler: O Historiador, de Elizabeth Kostova - Sinopse

dezembro 02, 2013

O Historiador
Título: O Historiador
Título Original: The Historian
Autora: Elizabeth Kostova
Editora: Biblioteca Sábado
Ano de Publicação: 2008
Número de Páginas: 477

Uma jovem encontra, na biblioteca do seu pai, umas velhas e enigmáticas cartas e um estranho livro praticamente em branco. Quando pergunta ao seu pai sobre esses curiosos objectos, este conta-lhe como o livro chegou às suas mãos e como mudou a sua vida e a de todos os que o rodeavam. E assim começa uma série de aventuras, que percorrem três continentes e dois séculos, e que tratam segredos familiares, a imprescindibilidade da História e uma conspiração que envolve uma das figuras mais notáveis da cultura ocidental, Vlad III, o Empalador, conhecido desde o século XIX, graças à obra de Bram Stoker, simplesmente como Drácula.

You Might Also Like

4 comentários

  1. Olá,

    Parece um livro interessante, espero que gostes :D

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu sei que gostei e posso dizer que foi um dos melhores livros que li sobre vampiros, mas podes não gostar, nunca se sabe, mas acredito que gostes ;)

      Bjs

      Eliminar
    2. Sim, estou a gostar mesmo muito. Ainda vou numa fase muito inicial, em que o pai da rapariga decide ir para Istambul, e que ao mesmo tempo ela o encontra, no presente, em Oxford, mas estou a adorar :) Obrigada! :D

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.