terça-feira, 17 de dezembro de 2013

[Desafio Literário X] Dois Mundos, Uma Paixão, de Pedro Xavier - Opinião

Título: Dois Mundos, Uma Paixão
Saga: Dois Mundos
Autor: Pedro Xavier
Editora: Index Ebooks
Ano de Publicação: 2013
Número de Páginas: 94

Com o final do Desafio Literário próximo e com o tempo a apertar, aliado à dificuldade de encontrar um autor com X, a decisão não estava nada fácil. Decidi dar uma vista de olhos pelo que tinha no Kindle, e um autor português pareceu-me bem.

Dois Mundos, Uma Paixão é a história de um jovem, Pedro, que viaja no tempo para salvar o mundo. Na sua viagem conhece Davis e ambos se apaixonam, mas Pedro não pode ficar mais do que uma semana na época de Davis e as complicações surgem...
Este livro foi uma agradável surpresa. Apesar de não primar pela originalidade, a escrita fluente e o ambiente da história fazem deste primeiro volume da saga promissor. Apesar de ainda se notar uma certa ingenuidade na escrita, consegue-se facilmente ultrapassar este facto pela intensidade com que a história é contada. Para mim, o ritmo da narrativa é muito rápido, se bem que a jornada de Pedro tivesse um prazo limite de uma semana, tudo acontece muito depressa e em catadupa, e eu pessoalmente gostaria de ter tido mais páginas para ler, com mais história, mais explicações, mais desenvolvimento.
Como disse antes, a premissa de Dois Mundos, Uma Paixão não é original, mas está bem trabalhada, tornando-se numa boa história de fantasia. É um pequeno livro que se lê muito facilmente, entende-se bem e deixa o leitor curioso para ler o segundo e o terceiro volumes publicados.
Acredito que haja leitores que não consigam ler este livro - o tema da homossexualidade não agrada a todos, é verdade. Mas mesmo sendo um tema sensível, Pedro Xavier descreveu-o bem, não chocando com as suas palavras, dando-lhe até um certo toque de inocência. Pessoalmente nada tenho contra a homossexualidade, portanto para mim este é um dos pontos altos do livro, uma contradição à história típica de amores proibidos entre o herói e a rapariga delicada.
O que eu menos apreciei nesta obra é a facilidade com que as coisas acontecem - é sempre tudo tão bom e bonito... Mesmo quando uma das personagens morre, a sua morte é transformada em algo belo e eterno - o que é, de certo modo, poético - mas neste contexto gostaria de ver mais lágrimas e sangue, juras de vingança terrível. Falta um pouco de crueza nas palavras de Pedro Xavier, mas talvez isto mude nos volumes seguintes, que ainda não li.

Concluindo, é um bom livro. Uma leitura simples e rápida, com uma história fácil de entender e personagens com as quais simpatizamos facilmente - apesar de não haver nenhuma marcante. Repito: um bom livro de fantasia, com um romance interessante, e todas as complicações de um bom romance.

2 comentários :

  1. Viva,

    Também não tenho nada contra a homossexualidade não é por isso que não possamos estar na presença de um excelente livro / história e vejo que te estás a tornar mais sanguinária ehehe

    Bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fiacha!

      É verdade, fiquei com um sabor doce demais ao acabar o livro, queria algo mais amargo :P

      Beijinhos e bom fim de semana!

      Eliminar

Obrigada por comentares :)