sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

O Historiador, de Elizabeth Kostova - Opinião

O Historiador
Título: O Historiador
Título Original: The Historian
Autora: Elizabeth Kostova
Editora: Biblioteca Sábado
Ano de Publicação: 2008
Número de Páginas: 477

O meu interesse pel'O Historiador começou em Outubro, quando decidi fazer uma lista de livros para o Dia das Bruxas (podem ver essa lista aqui). Por acaso, de todos os trinta e um livros escolhidos, este foi dos que mais me chamaram à atenção, e um grande amigo decidiu oferecer-me um exemplar. Demorei um pouco mais de tempo do que o que desejava para começar a leitura, pois sabia - ou pelo menos esperava - que fosse algo especial, e queria lê-lo no momento certo, apesar da minha ansiedade. Finalmente, li, e é sem dúvida uma das leituras do ano.

O Historiador conta mais do que uma história: conta a de Helen, a do seu pai e a do mentor do seu pai (Paul e Rossi, respectivamente), todas a gravitar em torno da lenda de Drácula. Até que ponto é que é uma lenda? O desaparecimento de Rossi e mais tarde de Paul levam Helen a juntar todos os bocados da história que lhe foi contada ao longo dos anos, misturada com uma série de cartas, numa procura não só pela mítica lenda mas também da sua família.
A nível de história, este livro é simplesmente fantástico. A trama está muito bem conseguida, deixando o leitor ávido por mais. Isto porque temos, como disse anteriormente, mais do que uma história, e por vezes a autora deixa em suspenso uma parte de uma dessas histórias e começa uma cena de outra; embora vários leitores não apreciem este método, com Elizabeth Kostova é facilmente perdoável, pois apesar de ficarmos suspensos naquela situação e ansiosos por saber mais, as interrupções são soberbas, necessárias, e igualmente prazerosas. A par de uma história maravilhosa, temos a escrita que nos inunda de sensações. A autora é dona de um dom de passar as palavras para o papel que não é para todos: as suas descrições de diferentes países, pessoas, culturas, quase que me fizeram acreditar que eu também estive nesses sítios, senti os mesmos cheiros, vi as mesmas cores, vivi as mesmas experiências. Kostova demonstra também uma grande capacidade de escrever factos atrás de factos sem ser de uma forma maçuda. O Historiador denota um grande trabalho de pesquisa, que nos é dado a ler, mas nem nos apercebemos que estamos a ser bombardeados com informação, tão envolvente que é a escrita.
Apesar de considerar O Historiador uma das leituras do ano, confesso que houve alguns pormenores no livro que não me agradaram. Sinto que lhe falta uma personagem arrebatadora. Estamos perante várias personagens, todas tendo em comum o gosto pela História, e todas envolvidas com a lenda de Drácula, mas nenhuma me cativou de modo a pensar "uau, que personagem fantástica". Julgo que, com a qualidade de Kostova, criar uma personagem apaixonante não deveria ser tão complicado. Outro detalhe que não me agradou muito, foi o fim do livro. É tudo muito abrupto, e gostaria que a autora se tivesse alongado mais, e sobretudo não deixar nenhum nó solto. Houve ainda um terceiro acontecimento que me deixou um pouco frustrada, mas esse não posso revelar, pois seria uma spoiler enorme. Mas penso que qualquer um que tenha lido o livro tenha sentido o mesmo desapontamento que eu senti, em dada altura.
Acredito que quem, como eu, tenha gostado realmente do livro, a certa altura quase desejou encontrar algures um livro em branco, apenas com uma gravura nas páginas centrais. É ou não é?

Numa altura em que livros de vampiros se empilham aos montes, e onde a qualidade é, na maioria das vezes, inexistente, O Historiador é uma boa alternativa. Não se dá o caso do vampiro se apaixonar pela rapariga, nem mais seres sobrenaturais em luta com o vampiro, nem nada disso. Estamos perante um romance bastante sério e fantástico, em que a lenda do vampiro é vista pelos olhos da História e não pelos olhos de uma adolescente apaixonada. É uma obra com oito anos, mas que acredito ser infinitamente superior à grande maioria de histórias de vampiros publicadas após o boom do Twilight.
Sendo assim, aconselho este livro a toda a gente que procura um bom romance acerca de um vampiro, e não entre um vampiro e mais alguém. É um livro grande, com muitas noções históricas - é. Mas vale bem a pena ler.

5 comentários :

  1. Ois Nádia,

    Já à imenso tempo que li o livro e não consigo agora relembrar todos os pormenores, mas modo geral concordo com o teu comentário, tem momentos algo descritivos e não tens assim uma personagem cativante (espera até começares a ler o George Martin :D ) mas como um todo é um livro que tem qualidade, pessoalmente gostei e foi do melhor que já li sobre vampiros.

    Fico contente que tenhas gostado do livro :)

    Bjs e bom ano :D

    ResponderEliminar
  2. Um livro fantástico :) eu adorei e concordo com o Fiacha, o melhor de vampiros que li até hoje.
    Já li outro livro da autora que se chama "Os ladrões de cisnes" que não sendo tão bom quanto este, lê-se muito bem. Trata-se da história de um pintor célebre que resolve atacar pinturas em museus, tentando destruí-las, é acompanhado por um psiquiatra e a história desenrola-se para tentar perceber o que o leva a fazer isso.
    beijinhos e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Caminhante!

      Ainda não tive oportunidade de ler mais nada da autora, mas esse que descreves parece ser bastante interessante!
      Obrigada pela visita :)

      Beijinhos e um bom Domingo!

      Eliminar
    2. Má... só ligas à caminhante :(

      :P

      Eliminar
    3. Tens razão Fiacha, mea culpa :(

      Vou ler George Martin em 2014! Não posso concordar com o título de melhor livro de vampiros, aí Anne Rice ocupa o lugar cimeiro, na minha opinião :P

      Eliminar

Obrigada pela visita!