sábado, 14 de dezembro de 2013

The Trials of the Core, de Michael E. Thies - Opinião [ARC]

The Trials of the Core (Guardian of the Core, #1)
Título: The Trials of the Core
Saga: Guardian of the Core
Autor: Michael E. Thies
Editora: Writer's Block Press
Ano de Publicação: 2013
Número de Páginas: 352

Ainda hoje me pergunto o porquê deste livro me ter chamado à atenção. A capa desta vez não me comprou, e mesmo a sinopse fez-me pensar que seria apenas mais um livro. Mas, mesmo assim, quis ler. E felizmente tomei essa decisão, pois gostei mesmo muito deste primeiro volume da saga Guardian of the Core.

The Trials of the Core conta as aventuras de seis concorrentes que competem entre si para ganharem um lugar como aprendiz do Guardião do Core. Inicialmente oito, apenas conhecemos seis (e o mistério adensa-se...) que têm de lutar para passar as quatro provas apresentadas. No final, só há um vencedor, e qual dos seis concorrentes será?
Um dos aspectos que mais me agradou no livro foi o facto de ser contado do ponto de vista de vários personagens (não pelos seis, mas por três deles). Conhecemos a história através dos olhos de diferentes indivíduos, enquanto os conhecemos melhor, o que em mim provocou algumas colisões nas relações que desenvolvi com as personagens: o Príncipe Hydro, quando comandava a narrativa, conseguia tocar-me, ao ponto de lamentar e torcer por ele; quando visto por outros, era um arrogante convencido que merecia ter ficado pela primeira prova. Mas este exemplo leva-me a outro ponto fantástico desta obra, a criação complexa e inteligente das personagens.
Com a história a ser contada por diferentes pessoas, temos perspectivas diferentes de cada uma delas. Já falei do Príncipe Hydro, que despertou em mim emoções tão variadas como compaixão e, no momento seguinte, nojo. Eirek, o concorrente mais fraco, mais injustiçado, que aos olhos de todos não passa de um inimigo fácil e que só quer que o mundo seja um lugar melhor. Zain, que começamos por detestar, e que aos poucos e poucos acaba por nos conquistar, mas continuamos a guardar-lhe rancor pelo que fez. Zain tem sem dúvida um crescimento e um enriquecimento enquanto personagem enorme, e a sua decisão no final deixou-me de boca aberta. Os restantes concorrentes, embora não conheçamos a sua visão da história, continuam a criar conflitos no leitor: Cadmar, bruto e sensível; Cain, arrogante e bom; Gabrielle, cúmplice, traiçoeira e apaixonada. É um trabalho muito bom, o que Michael E. Thies teve na construção e desenvolvimento das personagens; só por isso, o livro vale bem a pena.
Temos mistério e acção durante todo o livro. Não há uma cena morta, há sempre qualquer coisa que anda no ar em The Trials of the Core. Ou são os motivos ocultos por trás de determinada acção, ou as aparições de Zakk, ou o colar de Hydro, ou a mulher de cabelo preto... (e sim, sem entrar em spoilers, espero que com isto desperte a vossa curiosidade!)

Não sei se é comum entre os leitores deste livro, mas por várias alturas fez-me lembrar o Harry Potter e a Pedra Filosofal e Harry Potter e o Cálice de Fogo (ainda mais este último). Não digo que a comparação não seja boa, neste caso até correu muito bem, mas não sei se foi intencional ou não. Se sim, é um bom tributo; se não, então é uma coincidência grande.
Tirando este aspecto, apenas queria acrescentar que acho que falta algo ao livro, a nível de mapas, famílias, brasões. Devia ter um pequeno apêndice ilustrado com estas informações, para ficar mais claro e menos confuso nas mentes dos leitores. Talvez no segundo volume da saga já haja essa possibilidade.

Como uma boa saga que promete ser, nem tudo ficou resolvido neste primeiro volume. Para além da escolha do vencedor, esperam-lhe agora quinze anos de treinos. Mas estou bastante curiosa para saber quem volta no segundo volume, se voltam todos ou apenas alguns, e sobretudo para saber se Michael E. Thies consegue escrever uma segunda parte tão boa como a primeira, com a mesma linha de qualidade ou talvez melhor.

Recomendo vivamente The Trials of the Core a todos os leitores que gostem de um bom livro de fantasia, com alguma ficção científica à mistura, muita tecnologia ao lado da magia, muitas intrigas e mistérios. E sim, há lugar para o romance - até isso é parte de um jogo. Do lado de quem é que vão ficar?

2 comentários :

  1. Olá,

    Bem grande comentário sem duvida que é uma excelente aposta gostei do teu comentário ;)

    Está publicado por cá ou leste na versão original ?

    Bjs e gosto do teu novo fundo :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fiacha,

      Obrigada! ^^ Li na versão original, por acaso lembrei-me de ti e fiquei com pena de não haver tradução. E neste caso parece-me difícil que haja, é uma auto-publicação com apoio de uma editora, e parece que já está a haver problemas... Mas nunca se sabe! Traduzo eu :P Hehehe

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)