domingo, 5 de janeiro de 2014

BoneBreaker, Parte I, de Sara Reis - Opinião [Chiado Editora]

Título: BoneBreaker
Autora: Sara Reis
Editora: Chiado Editora
Ano de Publicação: 2013
Número de Páginas: 624

Este livro captou a minha atenção algures no Facebook. A sua capa pareceu-me interessante, e a história parecia-me com bastante potencial para ser boa: afinal, pela primeira vez encontro canibais nas minhas leituras, e estava cheia de curiosidade para saber como a autora os trabalhou.

BoneBreaker não é um livro mau. Mas... podia ser tão melhor. Para começar, um autor que escreve mais de mil páginas e as decide publicar, devia, primeiro e pelo menos, dar a outra pessoa para ler. Se Sara Reis o fez, então aconselho numa próxima a dar a ler a mais pessoas, pois claramente muita coisa má passou. Hoje em dia há tantos escritores a pedirem leitores-beta, e há quem aceite ser, a troco de nada, a não ser a satisfação de ter contribuído um bocadinho para melhorar uma obra. Alguém devia ter dito à Sara que o verbo "reflectir" e o verbo "flectir" não são a mesma coisa: uma pessoa reflecte sobre um assunto, não os joelhos. Alguém devia ter dito à Sara que o uso de "este" é correcto mas não é preciso aparecer em todas as linhas. Alguém devia ter dito à Sara que a descrição das roupas do Hugo (a melhor personagem da história, mas já lá chego) não é propriamente algo que deva ser descrito sempre. Alguém devia ter ajudado a Sara a sair dos lugares-comuns e a descrever novos sítios, alguém a devia ter ajudado a corrigir os erros ortográficos,... e penso que já me fiz entender.

No entanto, mantenho o que disse. BoneBreaker não é um livro mau. Mas... tem tudo para ser melhor. A nível de escrita, não está mau: apesar de ainda se notar alguma imaturidade nas palavras, os próprios diálogos, apesar de credíveis, por vezes pareceram-me um pouco infantis e comuns. Mas é uma escrita fluída e muito fácil de ler, com uma voz envolvente e que, quando damos por ela, já passaram cem páginas. Quanto às personagens, como referi anteriormente, temos Hugo. E depois temos uma série delas, mas a única que acaba por interessar é Hugo. Personagem muito bem construída e trabalhada, que não evolui mas que está perfeita da maneira que está: coerente, fiável, apaixonante. Sara é uma típica miúda de dezoito anos, e o resto é palha: não a nível de qualidade, mas mesmo de quantidade. Apenas estão lá, não são mais, nem menos. Apenas têm de existir. A relação entre Sara e Hugo é previsível, mas interessante de ser ver desenrolar perante os nossos olhos. Não sei se fui a única que fiquei com esta sensação, mas a relação parece-me um pouco abusiva. Então a certo ponto ele bate-lhe, e ela fica na boa, como se nada tivesse acontecido? O ciúme obsessivo, a desconfiança constante... parece-me uma relação muito pouco saudável e desenvolvida com uma certa ligeireza que não lhe pode ser impressa, mas vamos ver no que dá na segunda parte.
Um dos pontos altos de BoneBreaker é precisamente o fim da primeira parte. Ao longo das páginas vamos construindo as nossas desconfianças e teorias, e naquela página final, descobre-se tudo e tudo fica em aberto. E ficamos ansiosos para ler a segunda parte, numa antecipação entusiasmada por semelhante reviravolta.
Infelizmente, quando viramos a página, deparamo-nos com dois capítulos repetidos. Isso, para mim, foi o pior de tudo. Após tanta expectativa criada pelas descobertas anteriores, chaparem-me assim dois capítulos repetidos foi terrível. Fiquei ansiosa para chegar a casa e continuar a ler o segundo volume. Fiquei também com pena de ainda não ter visto desenvolvidas as diferentes espécies, as suas histórias, e afins. Mas espero pelo segundo volume, tenho esperança que a autora não se tenha esquecido de explorar estes aspectos devidamente.

Termino repetindo-me. BoneBreaker não é um livro mau... Há aspectos a corrigir e a trabalhar, mas é acima de tudo uma boa história de acção e aventura, salpicada de romance e intrigas, e ainda mistérios que se prolongam ao longo das páginas. Merece, sem sombra de dúvida, uma oportunidade!

2 comentários :

  1. Olá,

    Pois estou mesmo a ver o filme de tipo de livro, eu li vários livros da Chiado e tal como tu vejo potencial,mas lá está isto de a Editora cobrar e nem sequer haver trabalho de Editor, revisão penso que não ajuda ninguém, nem mesmo o escritor (a), foi mesmo por isso que deixei de ler livros da Editora,

    Espero que melhore nos seguinte, algo habitual ;)

    Bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fiacha,

      Estou prestes a acabar o segundo e digo-te... estou a adorar :) Obrigada pelo comentário :)

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)