Booking Through Thursday #3

janeiro 23, 2014


Detestado

Se houvesse um livro que pudesses garantir que nunca mais ninguém pudesse ler... qual seria, e porquê?

É difícil declarar ódio a um livro, pois por trás de cada livro há alguém que tentou e lutou para o trazer ao mundo. Mas mesmo assim, há gente que mais valia estar quieta. Para o Booking Through Thursday de hoje, a minha resposta será


A Monster That Couldn't Love, de Emari Valdicar

Porque é um atentado à língua e é tão horroroso que o autor deveria ter ficado quieto (e quem sabe, proibido de aprender a ler e a escrever). A história até que nem é má de todo, apenas mais do mesmo. Mas todo o livro é um atentado.



Há vários autores que não posso ver nem pintados, como Nicholas Sparks, Paulo Coelho, Margarida Rebelo Pinto... são os meus ódiozinhos de estimação, mas não posso dizer claramente que odeio os livros deles. Quanto ao de Emari Valdicar, e tendo passado já algum tempo desde que o li, a raiva pelo tempo desperdiçado com aquelas páginas é ainda maior agora do que na altura. Um autêntico desperdício de espaço, em todos os sentidos.

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.