Li até à Pág.100 #38

janeiro 04, 2014

- BoneBreaker Parte I -

Primeira frase da página 100:
"[Assim que chegámos] ao pé do jipe ele pôs-me no chão."

Do que se trata o livro?
Fala do envolvimento da personagem principal, Sara, numa organização internacional, chamada BoneBreaker, cujo objectivo é matar pessoas que por um motivo ou outro têm de ser eliminadas. Sara aceita fazer parte da organização sob chantagem, de modo a poder voltar a ver o seu irmão.

O que está achando até agora?
Para já estou a gostar do livro, apesar de ainda haver muita coisa por explicar.

O que está achando da protagonista?
Sara é uma personagem normal, para já ainda não me despertou qualquer tipo de emoção.

Melhor quote até agora:
Nenhuma.

Vai continuar lendo?
Claro que sim, estou curiosa para saber que mundo é que a autora criou, uma vez que a história é um pouco previsível.

Última frase da página:
"Afinal, não passas de uma "mulher das cavernas"."

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.