Top Ten Tuesday #4

janeiro 28, 2014

Imagem daqui

10 mundos no qual não viveria
OU
10 personagens com quem nunca trocaria de lugar

Este é outro Top Ten Tuesday complicado... Não me recordo de um único mundo em que não gostasse de viver. De todos os que me recordo agora (e confesso que não são muitos!), todos têm as suas coisas boas e más, e todos parecem bons lugares, à sua maneira. E mesmo as personagens, está complicado...

1. Finbar, A Filha da Floresta. É uma das personagens que me é mais querida, mas o seu destino é tão triste.
2. Malcom Ross, A Joia das Sete Estrelas. Apesar do final da história ser bom para ele - supostamente, o que lhe espera é horrível. Nem pensar.
3. Aria, Bonebreaker. Primeiro, não queria nunca ser como ela. E depois, o desprezo, ódio, indiferença... é muito para uma pessoa só.
4. Andrew, A Gárgula. O acidente inicial, que coisa terrível.
5. Josie, Dezanove Minutos. Passar por semelhante trauma e depois descobrir o que ela descobriu, não é fácil.
6. Dorian Gray, O Retrato de Dorian Gray. Apesar da ideia de imortalidade ser sedutora, não o é quando se fala da descida deste personagem.
7. Nancy, Oliver Twist. Uma vida desgraçada.
8. Daniela, Face Negra. Ninguém deveria ter de optar por aquela vida.
9. Gregor Samsa, A Metamorfose. Acordar e ser um monstro? Não, obrigada.
10. E claro, toda e qualquer personagem cujo fim seja a morte. Ninguém quer morrer, certo? Poderia enumerar centenas delas, mas penso que a ideia geral é já satisfatória.

You Might Also Like

2 comentários

  1. Olá,
    Gostei muito deste top ten apesar de só conhecer duas personagens: a Josie e a Daniela. Por acaso, no meu também indiquei uma personagens do livro "Dezanove Minutos", o Peter, mas também era incapaz de trocar de lugar com a Josie :(.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Silvana,

      Obrigada pelo comentário! Vou já ver o teu, que engraçada coincidência, termos posto duas personagens do mesmo livro :)

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.