A Ler: Circle of Death, de Keri Arthur - Sinopse [ARC]

fevereiro 03, 2014

Título: Circle of Death
Série: A Damask Circle
Autora: Keri Arthur
Editora: Random House Publishing Group - Bantam Dell
Ano de Publicação: 2014
Número de Páginas: 212

In one vicious night, Kirby Brown’s world is torn apart. Her best friend is dead, killed by a madman who is now after Kirby, and she has no idea why. When the police prove incapable of protecting Kirby, she has no choice but to trust a mysterious stranger. And while she finds herself inexplicably drawn to him, she fears the strange abilities he wields. 

An investigator for the Damask Circle, Doyle Fitzgerald, has come to Melbourne, Australia, to hunt down a killer. What he doesn’t expect to find is a cadre of witches capable of controlling the elements, a sorceress determined to take that power for herself, and a broken woman who is more than she seems. Doyle is certain that the reason behind the bloodshed lies in Kirby’s past—a past she has no wish to remember. Because Doyle isn’t the only one with magic in his soul: Kirby’s special gifts have the strength to destroy the world.

You Might Also Like

2 comentários

  1. Olá,

    Posso estar enganado, mas estavas mortinha para voltar a este universo :D

    Espero que gostes ;)

    Bjs

    ResponderEliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.