Árvore e Folha, de J.R.R. Tolkien - Sinopse & Opinião

março 12, 2014

Árvore e Folha
Título: Árvore e Folha
Título Original: Tree and Leaf
Autor: J.R.R. Tolkien
Editora: WMF Martins Fontes
Ano de Publicação: 2013
Número de Páginas: 114

Este volume inclui o ensaio Sobre Contos de Fadas e o conto Folha, de Migalha (Leaf by Niggle). Em seu ensaio Sobre contos de fadas, Tolkien discute a natureza dos contos de fadas e da fantasia e resgata o gênero que alguns pretenderam relegar à literatura infantil. Isso é ilustrado de maneira hábil e refinada por Folha, de Migalha, conto fascinante que narra a história do artista, Migalha (Niggle), que "precisa fazer uma longa viagem", e é visto como uma alegoria à vida de Tolkien. Escritas na época em que O Senhor dos Anéis estava tomando forma, essas duas obras mostram a maestria de Tolkien e sua compreensão da arte de subcriação, ou seja, o poder de dar à fantasia a "consistência da realidade".

****************

Mais um livro que li durante a Maratona Literária de Fevereiro, escolhido por J.R.R. Tolkien ser da África do Sul (relembro que a maratona consistia em ler livros de autores de diferentes nacionalidades). Sendo um dos escritores da minha preferência, este Árvore e Folha pareceu-me uma boa escolha para conhecer um pouco mais do seu mundo, e estava curiosa em ler sobretudo o seu ensaio sobre contos de fadas.

Mais uma vez, Tolkien esteve à altura das minhas expectativas. O conto Folha, de Migalha, é uma história incrível, ainda para mais tendo em conta que é uma alegoria à vida do autor. Lê-se bastante bem, com uma escrita que conquista logo à primeira e claro, com toda a magia que as palavras do escritor imprimem nos seus leitores. Gostei bastante deste conto, mas, para mim, o ponto alto do livro é mesmo o ensaio.
Este ensaio é uma leitura obrigatória. Para quem gosta de fantasia e contos de fadas. Para quem é amante de literatura infantil. Para quem quer compreender melhor a escrita de Tolkien. E não basta apenas uma leitura, é preciso várias para se assimilar tudo o que o autor quer dizer. Numa primeira leitura percebe-se o ponto de vista do escritor, mas para verdadeiramente entender toda a sua essência, acredito que seja precisa mais do que uma incursão. Eu gostaria de vos deixar aqui o ensaio, mas ficaria muito grande (já para não falar em direitos de autor e etc. etc. etc.). Portanto, aconselho a procurarem este texto e a ler; eu certamente irei ler mais vezes. Quase que conseguimos ouvir a voz do autor a conversar acerca deste tema, tamanha a sua paixão que se evidencia entre as letras.

Pouco mais consigo escrever acerca deste fantástico Árvore e Folha. É Tolkien, e está tudo dito. Recomendo vivamente, uma leitura rápida e verdadeiramente útil, e perfeita para se ler mesmo antes de começar outra obra do autor.

You Might Also Like

2 comentários

  1. olá
    Também gostei muito deste conto, A Folha de Niggle, em português e está no livro "As aventuras de Tom Bombadil", juntamente com outros dois contos muito bons também.
    O ensaio é excelente como dizes :)
    Muito bom o teu comentário
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Caminhante, como me lembrei de ti tantas vezes ao ler este livro :P Obrigada pela tua visita ^^

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.