Maratonas Literárias Viagens (In)Esperadas #3

março 03, 2014


Para entrarmos em grande em Março, o mês começa logo com uma Viagem (In)Esperada!

"Março é um mês rico de acontecimento, mas nós escolhermos assinalar 2: o Carnaval e o Dia Internacional da mulher. 
Irá decorrer entre as 00:00 do dia 3 de Março e as 23:59 do dia 9 de Março.

Este mês não haverá votação, mas poderão ler livros de duas categorias diferentes. 

* Ler livros escritos por autores que usaram pseudónimos (Uma forma de assinalar o Carnaval, uma vez estes autores usam “máscaras” para nos dar a conhecer as suas palavras)

* Ler livros escritos por autoras e em que as personagem principal seja uma mulher (esta é a nossa forma de assinalar o dia da mulher que se comemora em Março)."

Para já, o meu plano consiste em dois livros, todos eles à volta do segundo ponto, ler livros escritos por mulheres e protagonizados por mulheres.

Em Busca da Rosa, de L.A.M. [0/548]
A Vida é um Presente, de María Villota [0/192]



Tendo em conta que Em Busca da Rosa é um calhamaço, penso que serão suficientes :)

You Might Also Like

2 comentários

  1. Viva,

    Então boa maratona para este mês, espero que gostes de ambos os livros :)

    Por estes lados começo já com Feist, um escritor que cada vez gosto mais :D

    Bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu tenho de a levar com calma, mas o livro que comecei a ler é tão bom que... tenho de me conter :P

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.