sábado, 29 de março de 2014

Um Eterno Minuto de Silêncio, de Humberto Oliveira - Opinião [Alfarroba]

Título: Um Eterno Minuto de Silêncio
Autor: Humberto Oliveira
Editora: Alfarroba
Ano de Publicação: 2013
Número de Páginas: 256

Que eu tenha noção, nunca tinha lido nada de um autor que tivesse ganho o Prémio Literário Alves Redol, e Um Eterno Minuto de Silêncio, com o seu tom a buscar inspiração a, sobretudo, Edgar Allan Pöe, facilmente despertou a minha curiosidade.

Esta obra de Humberto Oliveira é, simplesmente, fantástica. Numa só palavra, é precisamente isso: fantástica. Dividida em quatro contos, quatro minutos de silêncio, cada um destes compassos temporais justificam a atribuição do prémio que referi anteriormente, justo, merecido, tornando este livro uma leitura obrigatória no panorama actual de autores portugueses.

Minuto de Silêncio I
- Corrente Perpétua
Com uma tensão constante nas página, conta a história de um homem que se encontra, numa questão de horas, numa situação de perigo inacreditável e repleta de peripécias. Foi uma boa introdução à escrita do autor, que me deixou agradavelmente admirada e de imediato pendurada à espera do acontecimento seguinte. Tem um final surpreendente, oposto a qualquer ideias que possamos ter concebido durante a leitura. Um excelente "sejam bem-vindos ao meu mundo", por Humberto Oliveira.
Minuto de Silêncio II
- Alkinoe_22
Um conto com o qual me consegui identificar ligeiramente pelo ambiente criado. Foi, porém, uma faca de dois gumes, pois senti pela personagem principal uma certa birra, pela sua maneira de estar/de se identificar. É a história de uma jovem, que se vê como uma emo e não gosta de ser apelidada de gótica, que após tudo se desmoronar, recorre ao suicídio. Falhando, acorda com um estranho poder e procura a vingança e o equilíbrio no seu mundo. O desfecho, apesar de ao olhar para trás me parecer expectável, na altura foi uma surpresa bastante interessante. Apesar de ser o conto que menos me agradou em todo o livro, isso não o torna, de todo, uma leitura menos aprazível.
Minuto de Silêncio III
- E um Réquie Seguiu-se às Cinzas
Uma história a evocar o sempiterno Drácula. Há um tom ao longo das páginas, muito "Stokiano" mas que me agradou imenso, pois apesar dessa voz antiga, Humberto Oliveira mantém vivo também o seu cunho. Uma luta entre um humano e vampiros, que começa com um acontecimento peculiar e termina também de forma peculiar. Uma recriação numa voz moderna dum clássico, e mesmo que não fosse essa a intenção do autor, parece-me, a mim, muito bem conseguido.
Minuto de Silêncio IV
- As Sombras no Quarto
O ponto alto do livro, finalizado com chave de ouro. A história de um rapaz introvertido e que aprende a combater o seu demónio. O final é de cortar a respiração, brilhantemente trabalhado.

E fez-me querer mais, muito mais. Desconheço se o autor tem mais obras publicadas, mas espero bem que sim, ou então que esteja em vias de. Tem uma qualidade de escrita incrível, um modo de contar histórias único. Evoca universos, tempos e vidas maravilhosamente. Recomendo a leitura: um autor a ser (re)conhecido, um livro que tão cedo não esquecerão.

2 comentários :

  1. Ois,

    Bem rico comentário sem duvida, hora aqui está um nome nacional a reter, bom sinal :)

    bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Fiacha, e apesar de eu saber que não és o maior fã de contos, acredita que este livro é mesmo muito bom :)

      Beijinhos e bom Domingo!

      Eliminar

Obrigada por comentares :)