Li até à Pág.100 #60

abril 11, 2014

- O Rei Veado -

Primeira frase da página 100:
"[-Não sou o vosso confessor, Gwenhwyfar, e sois vós, e não eu, quem acredita num Deus que vos condenará ao inferno por partilhardes o vosso] leito com um homem que não é o vosso marido."

Do que se trata o livro?
O terceiro volume de As Brumas de Avalon vem consolidar a guerra entre a religião antiga e o Cristianismo, com o confronto da traição de Arthur à religião de Avalon. Medidas têm de ser tomadas para se garantir o correcto rumo dos acontecimentos, e é tudo o que eu sei até agora.

O que está achando até agora?
O que posso dizer... São as Brumas! Comecei a ler devagar e quando dei por mim estava na página 100.

O que está achando da protagonista?
Por várias vezes mencionei o quão perfeita é Morgaine enquanto personagem, e este livro vem de acordo com essa ideia.

Melhor quote até agora:
Nenhuma.

Vai continuar lendo?
Mal posso esperar por continuar a ler! Ter parado hoje na página 100 deixou-me com um sabor a pouco... estou ansiosa.

Última frase da página:
"Tudo lhe parecia ao mesmo tempo distante e pequeno, avultando-se ameaçadoramente sobre ela, e havia um [profundo silêncio dentro de si]."

You Might Also Like

4 comentários

  1. Esta rubrica é muito porreira :) tenho alguns livros da Marion Z. B. mas nunca li nenhum... já estou a ver que vem comigo, na mala, numa das minhas próximas viagens a PT :)
    * maryredhair *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Mary! :)

      Já li outras coisas da Marion fora das Brumas, mas as Brumas... são especiais *.*

      Beijinhos e bom Domingo!

      Eliminar
  2. Ois,

    Isso é que vai bem lançado sim senhor, não tarda tens tudo devorado ehehe

    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A verdade é que já está, os posts no blogue é que estão atrasados xD

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.