[Novidades] Bizâncio - Abril

abril 17, 2014

A ECONOMIA DESUMANA - PORQUE MATA A AUSTERIDADE,
de DAVID STUCKLER e SANJAY BASU

«Neste livro, em vez de debitarmos opiniões ideológicas, apresentamos factos, explicações e provas.» 
David Stuckler e Sanjay Basu 

Este é o primeiro livro que aborda o debate político e económico sobre a crise com uma perspectiva nova e muito necessária: o seu custo humano. A recessão global teve um impacto brutal na riqueza das nações, porém, ignoramos de que modo afecta um aspecto fundamental: o bem-estar físico e mental dos cidadãos. Por que razão, perante crises idênticas, a saúde pública nalgumas nações (como na Grécia) se deteriora gravemente e noutras (como na Islândia) chega mesmo a melhorar? Após uma década de investigação, David Stuckler e Sanjay Basu demonstram-nos que, mesmo perante as piores catástrofes económicas, os efeitos devastadores na Saúde Pública não são inevitáveis. É a má gestão dos governos que pode conduzir a um saldo desastroso de tragédias humanas. A Economia Desumana apresenta uma conclusão demolidora: os cortes orçamentais prejudicam gravemente a saúde. São as receitas de austeridade que agravam fatalmente os efeitos da crise, mutilando programas de apoio social, fundamentais precisamente no momento em que são mais necessários, agravando as taxas de desemprego e impedindo a recuperação económica. Este livro defende que as decisões económicas não são apenas uma questão ideológica, de taxas de crescimento e de défices orçamentais, são também questões de vida ou de morte. Só um sistema mais justo e igualitário, acompanhado de políticas inteligentes, poderá garantir o bem-estar e o desenvolvimento económico das sociedades.

ECONOMIA / ACTUALIDADE | PÁGINAS: 304 | PVP: 16,00€

O FUTURO DA MENTE,
de MICHIO KAKU

O consagrado autor de A Física do Impossível, A Física do Futuro e Mundos Paralelos aborda neste livro o mais complexo objecto de todo o Universo conhecido: o Cérebro Humano. Os segredos de um cérebro activo começam a ser revelados graças aos computadores e aos novos métodos de ressonância magnética. Nas últimas duas décadas, o que antes era domínio apenas da ficção científica, tornou-se realidade. Tecnologias consideradas impossíveis, como a gravação de memórias, a comunicação telepática, o registo vídeo de sonhos e a telecinesia, foram demonstradas em laboratório. O Futuro da Mente traz-nos uma perspectiva conhecedora e detalhada da espantosa investigação que se faz em todo o mundo – baseada nos últimos progressos das neurociências e da física. Talvez um dia possamos tomar uma «pílula da inteligência», que aumente a nossa capacidade de conhecimento; fazer um upload do nosso cérebro para um computador, neurónio a neurónio; talvez possamos controlar computadores e robots com a mente; alargar os limites da mortalidade; e até enviar a nossa consciência para o Universo. 

Michio Kaku leva-nos numa visita guiada ao que o futuro da mente nos reserva, do ponto de vista de um físico. Não só nos explica de forma consistente como funciona o cérebro, como também nos indica como as tecnologias de ponta poderão vir a alterar o nosso quotidiano permitindo-nos uma outra compreensão das doenças mentais e da inteligência artificial. Com o conhecimento que Michio Kaku tem da ciência moderna, e dada a sua capacidade de prever os desenvolvimentos futuros, O Futuro da Mente é uma obra imperdível sobre a expansão das fronteiras das neurociências.

CIÊNCIA / DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA | PÁGINAS: 464 | PVP: 17,00€

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.