quarta-feira, 7 de maio de 2014

A Ilha de Melquisedech, de Vera de Vilhena - Opinião [Chiado Editora]

Título: A Ilha de Melquisedech
Autora: Vera de Vilhena
Editora: Chiado Editora
Ano de Publicação: 2013
Número de Páginas: 508

A Ilha de Melquisedech chegou-me às mãos no momento certo. Há algum tempo que andava a namorar o livro, mas nunca tinha tido realmente vontade de o ler. A capa sempre me chamou a atenção, mas a sinopse deixava-me dividida. Depois de ver um vídeo divulgado pela editora, de uma entrevista dada por Vera de Vilhena a um programa de televisão da manhã, e que sinceramente não gostei, quis ainda mais ler este livro, e assim ele chegou aqui a casa, e com algumas expectativas comecei a leitura.

O livro é, de facto, um pouco infantil, mas com uma história tão mágica e envolvente que cresce aos nossos olhos como um conto de fadas moderno. A história gira à volta de uma ilha, magicamente criada por Melquisedech, onde só existem sentimentos bons; com o passar do tempo, determinados acontecimentos levam a que uma pequena semente de dúvida se instale e se desenvolva, levando o povo a querer experimentar o nosso lado do mundo. É uma narrativa bastante simples e bem contada, com uma trama fácil de acompanhar.
O ponto alto deste livro são as suas personagens. Vera de Vilhena conseguiu criar não uma, não duas, mas duas mãos cheias (e mais!) de personagens únicas e vivas, que nos são apresentadas de uma forma engraçada e que nos cativam logo ao início. Cada uma é importante, com mais ou menos relevância para o desenrolar da história, todas ocupam o seu lugar de uma maneira incrivelmente magicada.
Tal como referi anteriormente, é um conto de fadas moderno. Ao longo das páginas vamos encontrando pequenas lições, que nos transmitem valores, morais, pensamentos que nos acompanham.

"Os dias passaram, numa corrida contra o mais implacável dos adversários: o Tempo. Inimigo poderoso e invisível, que não se alcança nem se transpõe. Muito antes de os homens aparecerem a medir o que jamais havia sido medido, o universo existia, sem pressa nem ansiedade. O Tempo, despido de qualquer espécie de reconhecimento que lhe desse identidade, não existia. Passou a ter vida própria com os homens, que o inventaram, determinados a controlar a Terra, tão dependentes de unidades que lhes meçam e perpetuem os gestos. Talvez não passe de uma espécie de bússola, para que os homens encontrem um rumo, uma forma de serem recordados. Quem sabe se o Tempo, em verdade, mais não era do que um eterno Presente, à semelhança do que acontece nesta ilha, até ao dia em que os homens o aprisionaram? Caçando-o, julgaram domesticá-lo; dele se tornaram cativos, achando-se livres; reduziram-no à mais ínfima partícula, esgotaram a sua essência e retiraram-lhe o valor. Tamanha é a consciência que ganharam face ao Tempo, baptizando-o com o complexo termo Cronologia, que agora se lhes escapa por entre os dedos, como grãos de areia. As crianças, que desconhecem a pressa, são donas de um tempo livre, selvagem. De igual modo se vão domesticando as crianças, obrigadas a crescer no sentido dos ponteiros de um relógio, para que se tornem bons soldados, ao serviço das horas mais exigentes e caprichosas."

Os capítulos finais são pequenas surpresas, marcadas por um acontecimento muito importante e que é quase um balde de água fria... mas um desenvolvimento bastante interessante.
Para além de ser uma leitura bastante agradável, a nível visual A Ilha de Melquisedech é um belíssimo trabalho. A capa, a grafia dos capítulos, tudo se harmoniza numa edição muito bonita.

Aconselho sem dúvida este livro a leitores grandes e pequenos. É uma história com muito significado, contada de uma forma bastante cómica e apelativa. Sem dúvida, uma boa aposta!

8 comentários :

  1. Olá,

    Já me tinham recomendado este livro e depois de ler este teu comentário fiquei ainda com mais vontade de ler :)

    Fundamental as personagens serem cativantes :)

    Bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é! Nem a propósito do outro BTT :)

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Também já o li...e adorei...apaixonei-me logo por este livro...de tal forma que não conseguia parar de o ler...e continuo a falar, apaixonadamente, deste livro...esta narrativa cativou-me pela magia constante das suas personagens...e da 'Ilha'...e pela sua História...com muitas histórias...Gosto de parafrasear a autora...'Uma narrativa fantasiada com um pé na realidade'...mas que nos faz meditar...sobre este nosso 'Outro Mundo'...um mundo de atropelos a contrastar com aquela 'Ilha' onde apetece viver...Um livro a ser lido por todos...pequenos e graúdos...aguardo, ansiosamente, o segundo...Dila Sá

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Plenamente de acordo :D Também quero muito ler o segundo livro, ver o rumo que as coisas vão tomar depois "daquele" acontecimento :)

      Beijinhos

      Eliminar
  3. Adorei a tua opinião! Fiquei cheia de vontade de ler o livro.
    Já tinha visto a capa e ela já me tinha despertado a atenção...mas nem sabia do que se tratava exactamente :p
    Beijinhoas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Kel :D Aconselho-te então a leitura, vais gostar :)

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)