Top Ten Tuesday #19

junho 03, 2014

Imagem daqui

10 livros que vão estar na minha mala de praia este Verão

Eu não sou grande fã de praia, mas vou fazer uma lista dos livros que tenciono ler este Verão... ou pelo menos tentar!

1. Polikuchka, o Enforcado, de Tolstoi

2. O Filho das Sombras, de Anne Rice

3. A Muralha de Gelo, de George R.R. Martin

4. O Vampire Lestat, de Anne Rice

5. Lady Almina e a Verdadeira Downton Abbey, de Condessa de Carnarvon

6. Despertar, de L.J. Smith

7. Deixa-me Entrar, de John Ajvide Lindqvist

8. Daisy Miller, de Henry James

9. Histórias, de Edgar Allan Pöe

10. O Lar da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares, de Ransom Riggs

You Might Also Like

2 comentários

  1. George RR Martin tb vai estar na minha mala, de certeza. Tenho que ler Anne Rice e tenho ali um do Henry James à espera para ser devorado :) boas leituras :)

    ResponderEliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.