domingo, 3 de agosto de 2014

Lolita, de Vladimir Nabokov - Opinião

Lolita
Título: Lolita
Título Original: Lolita
Autor: Vladimir Nabokov
Editora: Editorial Teorema
Ano de Publicação: 2000
Número de Páginas: 406

Um romance que nunca me tinha chamado muito à atenção, até descobrir que se tratava de uma das obras mais escandalosas de um passado recente. Com um misto de curiosidade e receio, a oportunidade de conhecer Humbert Humbert surgiu aquando do clássico escolhido para Maio, e ainda hoje não sei como classificar ao certo Lolita.

Uma história mais ou menos conhecida, sobre um professor que se apaixona por uma menina de 12 anos. Resumidamente, é isto e pouco mais... mas há mais, mais a ser dito sobre Lolita. Tudo começa na infância do nosso professor, um tenro Humbert que vive uma paixão avassaladora com uma tenra Annabel, mas que falha em atingir o clímax dessa paixão; o fantasma de Annabel vai perseguir Humbert para o resto da vida, tomando forma nas várias ninfetas (termo carinhoso adoptado para designar as meninas) que se cruzam com ele. E então, num acaso do destino, aparece Lolita (na verdade, Dolores Haze), que corresponde aos seus sentimentos, envolvendo-se amorosamente e seguindo uma vida juntos. Não aconselhável para todos os leitores... Algumas partes são extremamente difíceis de engolir - houve partes em que tive de parar de ler e respirar, com tanta violência nas páginas. É relativamente fácil esquecer o grande elefante durante maior parte do livro, mas noutras, em que sabemos que se trata de um homem e de uma menina de 12 anos... repito, não é fácil.
Mas Vladimir Nabokov é um excelente ilusionista. A forma como relata a história nas palavras de Humbert Humbert faz-nos esquecer que estamos perante algo tão grave e medonho. A própria personagem é fantástica, tirando o facto de ser pedófilo. Nabokov cria uma personagem refinada e com sentimentos, dilacerada pelo seu vício, com medo constante das suas acções, consciente do seu próprio mal; como vítima temos Lolita, uma adolescente estúpida e mimada, que cai nas mãos de um monstro, pintado de forma não tão monstruosa. Apesar da aversão pela adolescente, não conseguimos deixar de sentir uma repugnância latente a cada virar de página. Lolita terá sido, certamente, objecto de estudo múltiplas vezes. Dissecar a personalidade de Humbert Humbert seria fazer mais do mesmo. Fica, no entanto, o sentimento: como posso sentir tanta simpatia pela personagem, que na verdade é um monstro? E é aqui que penso que toda a mestria de Nabokov se revela.

Desconhecendo a restante obra do autor, e correndo o risco de errar no que estou prestes a dizer.. mas não considero Lolita como merecedor de um lugar de destaque na literatura clássica. É um bom livro, muito bem escrito, mas falta-lhe algo... algo para lá de sublime, para ser um clássico. As opiniões valem o que valem, e apesar de ter sido uma leitura interessante, penso que não merece todo o valor que lhe é dado - afinal, o livro é mais polémica do que propriamente um marco na literatura.

Recomendo Lolita aos leitores que se sintam capazes de sobreviver a uma história tão dura. Tem um lado brilhante, mas outro tão bruto, que não é para todos. É, mesmo assim, uma boa leitura: nem sempre agradável mas sempre interessante.



6 comentários :

  1. Olá Nádia
    Tenho esse livro para ler e ainda o li, por isso não posso comentar muito. Acredito que não seja fácil a sua leitura porque acabamos por ver o horrível da situação e não conseguimos abstrair-mo-nos.
    O livro é um clássico porque o seu escritor é muito bom, eu já li contos dele, e gostei bastante, mas também porque foi escrito na época em que foi.
    Se nos choca hoje em dia, em que a tv nos mostra tantos horrores, imagina em 1955 quando foi publicado pela primeira vez!!
    Gostei muito do teu comentário :)
    bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá São!

      Concordo contigo no que toca à qualidade do autor, apesar de não ter lido mais nada dele, mas considerar Lolita um clássico só por causa do Nabokov ser bom no que faz... Muitos são bons no que fazem e nem por isso podem ser considerados clássicos :) Mas, tal como eu disse, isto é apenas a minha opinião, entendidos na matéria podem ser mais certeiros do que eu.

      Volta sempre querida :)

      Beijinhos

      Eliminar
  2. Ois Nádia,

    Estou como a São tenho o livro para ler, mas ainda não me deu para pegar no livro, pois tenho na ideia que seja uma leitura complexa e algo descritiva o que não quer dizer que seja mau, claro.

    Gostei do teu comentário ;)

    Bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Fiacha,

      Sim, o livro não é mau, apenas... difícil. :) Mas quando puderes, dá-lhe uma oportunidade. Penso que foge um pouco a tudo o que costumas ler, mas quem sabe não te conquista ^^

      Beijinhos e obrigada por continuares a visitar-me amigo :)

      Eliminar

Obrigada por comentares :)