365 Dias de Livros #9

janeiro 11, 2015

Um daqueles achados, no Mundo Fantasma. Já tinha uma edição do Dracula, mas quando vi esta edição... tinha de a ter. Vocês vão perceber porquê.


Ilustrado por Ben Templesmith, conhecido pelo seu trabalho 30 Days of Night, esta edição é muito bonita mesmo. Reparem:


Simplesmente fantástico! Conheçam mais do ilustrador aqui.
Quanto ao livro, já todos sabemos o quão perfeito é o Dracula. Obra-prima. Releitura obrigatória!

You Might Also Like

2 comentários

  1. Adorei esse livro mas tenho uma edição super banal. É o que acontece com alguns dos meus clássicos.. tenho edições que não equivalem à qualidade daquelas obras. Essa edição é linda :) adoro!

    * mary red hair *

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é *.*

      Eu também tenho uma edição normal do Dracula, da Penguin... mas esta é a menina dos meus olhos ^^

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.