segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

O Vampiro Lestat, de Anne Rice - Opinião

O vampiro Lestat (As Crônicas Vampirescas, #2)
Título: O Vampiro Lestat
Título Original: The Vampire Lestat
Série: Crónicas Vampirescas
Autora: Anne Rice
Ano de Publicação: 2009
Número de Páginas: 468

Retomar a leitura de As Crónicas Vampirescas era algo que já queria há bastante tempo. No entanto, sentia-me apreensiva com o livro que me esperava. Isto por causa da forma como Lestat é retratado em Entrevista com o Vampiro (e para quem viu o filme mas não leu o livro, acreditem, o Lestat é apresentado por Louis como um ser desprezível e mau e não encantador e cheio de vida como no filme). E eu receava ver confirmado o medo que uma das minhas personagens favoritas de sempre era, afinal, um embuste.

Assim, relutante porém ávida, dediquei-me a O Vampiro Lestat, e descobri - ou melhor, confirmei - que é de facto uma das melhores personagens de sempre. Ao longo do relato da sua vida, vamos aprendendo que Lestat de Lioncourt é uma alma sofrida e apaixonada, numa eterna busca pelo amor... ao mesmo tempo com requintes de prazer sórdidos e uma malícia quase inocente. Acompanhamos a sua jornada desde o humano frágil e ingénuo, filho mais novo de uma família francesa da aristocracia que aos poucos se vai afundando mais e mais, à sua transformação no imortal intrépido e ardente que viaja por todo o mundo em busca de respostas e conhecimento. É uma jornada fantástica, pontuada por momentos de absoluto deleite e de puro terror. Até que chegamos ao presente, onde tudo é deixado em aberto, quando Lestat se cansa do segredo e decide expor a sua identidade e a da sua espécie ao mundo. O livro acaba assim, num frenesim de histeria entre o estilo de rockstar de Lestat e a fúria dos que são descobertos. No meio do caos, o livro chega ao fim; e de repente sentimos um vazio deixado pela companhia de Lestat. A única vontade que temos é a de agarrar A Rainha dos Malditos e voltar a mergulhar cada vez mais fundo na psique desta personagem mítica.
A parte da história que mais me tocou foi a de Nicki. A forma como os dois se conheceram, se amaram (como amigos ou amantes, cabe a cada leitor decidir) e como mudaram irrevogavelmente a vida um do outro. É uma história bonita mas muito triste, chegando a roçar a ingratidão. Cheguei ao final a detestar Nicki.
Outra parte do seu relato que se torna bastante triste é a da sua relação com Gabrielle, sua mãe, e como se amam ao longo dos anos. Não podendo entrar em detalhes, o acontecimentos são previsíveis, mas dolorosos. E claro, enquanto fã incondicional de Lestat, Gabrielle ficou na minha lista negra (e, aparentemente, não só na minha mas como na de muita gente).

Creio ser impossível ficar indiferente a Lestat de Lioncourt e à sua imortalidade. O seu relato é de tal forma apaixonado e animalesco que invariavelmente somos seduzidos por si. Anne Rice deu vida e voz a um mito, embelezando-o e humanizando-o, concedendo-lhe um estatuto quase de deus. Tudo isto magistralmente escrito.

Recomendo, sem sombra de dúvida. Se em Entrevista com o Vampiro todo um novo mundo se abre perante nós, então O Vampiro Lestat é a confirmação que não mais queremos sair desse mundo.

2 comentários :

  1. Ois miga,

    Não sei cmo cosigo resistir a não comprar estes livros, mas é verdade ainda não conheço um dos vampiros mais famosos, nem parece meu :D

    Bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh Fiacha!! Tens de ler. A sério. É absolutamente maravilhoso.

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada pela visita!