quinta-feira, 26 de março de 2015

Heir to Sevenwaters, de Juliet Marillier - Opinião

Heir to Sevenwaters (Sevenwaters, #4)
Título: Heir to Sevenwaters
Série: Sevenwaters
Autora: Juliet Marillier
Editora: Roc
Ano de Publicação: 2008
Número de Páginas: 395

Várias vezes expressei aqui no blogue o meu receio em continuar a leitura da série Sevenwaters, pois a trilogia marcou-me de tal modo que temia ficar terrivelmente desapontada pelo resto dos livros. No entanto, a leitura de Heir to Sevenwaters surgiu de forma tão natural que apenas me lembrei disso quando ia a meio da leitura e, diga-se de passagem, a adorar. As minhas hesitações foram, claramente, infundadas.

Heir to Sevenwaters conta a história de Clodagh, filha de Lord Sean de Sevenwaters e Aisling, e de como tem de ir ao Outro Mundo para salvar o herdeiro de Sevenwaters, o seu irmão recém-nascido. Ao contrário do que eu pensava, esta história não se centra em Sibeal, mas o seu papel na narrativa foi mais desenvolvido e esse era um dos pontos que me tinha deixado mais curiosa em A Filha da Profecia. A memória dos outros personagens da série, vivos e mortos, continua bem marcada, transportando a magia que me tinha marcado tanto na trilogia. Portanto, afirmo sem dúvida alguma, Heir to Sevenwaters mantém a qualidade e o fascínio dos primeiros volumes.
Como não podia deixar de ser, Juliet Marillier apresenta-nos uma vez mais uma bela história de amor, esperada mas repleta de reviravoltas e segredos que nos mantém sempre na expectativa. Cathal é uma personagem complexa e envolta em mistério, que se adensa até à revelação de toda a sua história - e que história! Um amor construído entre duas personagens fantásticas e tão díspares, tão bem desenvolvido, tão... mágico. Mágico é uma palavra que me ocorre várias vezes ao tentar descrever o que Juliet faz, e parece-me tão pouco e tão pobre que não me deixa satisfeita; no entanto, nada mais me ocorre. É difícil uma pessoa não se sentir enfeitiçada pelas palavras de Juliet, ou pelas suas personagens, ou pela sua descrição, ou por qualquer coisa que a autora decida escrever.
Muita coisa neste livro é ainda deixada em aberto, o que me deixa ansiosa para continuar a leitura da série. Ciáran continua neste livro e promete imenso, o que me deixou curiosa quanto à sua participação decisiva nos restantes volumes. Não nos esqueçamos de quem é, na verdade, Ciáran...
Nada. Nada me deixou desapontada neste livro. Está tudo lá - uma heroína fantástica, um amor repleto de sacrifícios e inocência, folclore, intrigas, mais uma vez a magia. Apesar de ter sido escrito nas condições em que foi, Juliet Marillier prova uma vez mais que é simplesmente brilhante.

Um pormenor: li o livro na sua língua original, o que me deixou agradavelmente surpreendida quanto ao vocabulário usado pela escritora. Palavras e expressões bastante elegantes, uma escrita sublime.

Já dizia o outro, não se pode agradar a gregos e a troianos. Mas penso que Heir to Sevenwaters é uma aposta excelente e um livro fantástico, que merece ser lido sem qualquer preconceito e sem qualquer receio. Juliet Marillier é uma escritora fabulosa, capaz de criar as coisas mais belas nos ambientes mais inóspitos. Heir to Sevenwaters é um óptimo regresso a casa, acolhedor e sonhador, perfeito.

2 comentários :

  1. Viva,

    É verdade que a Juliet será sempre a Juliet e tudo o que escreve é bom, mas quanto a mim este livro perdeu um pouco da magia dos livros anteriores, alias fiquei por aqui, quem diria lol, mas pronto é a minha opinião :)

    Bjs e boas leituras

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem diria mesmo migo! Eu vou ler os seguintes, e vou ver se te convenço... :P

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)