Um Conto, Um Ponto #29: A Ponte das Almas Negras, de Carina Portugal

março 08, 2015

A Ponte das Almas Negras
Título: A Ponte das Almas Negras
Autora: Carina Portugal
Editora: Fantasy&Co.
Ano de Publicação: 2014
Número de Páginas: 50

Durante mais de um século, Rouco manteve a sua guarda, sob a ponte de uma antiga vila. Algo negro habita-a, escondido entre as pedras degradadas e os líquenes, aguardando a chave da sua libertação. A pequena Aurora, apesar de cega, é a única que tem o dom de as conseguir ver. Contudo essa dádiva é também uma maldição que a persegue.

*****************

Tinha acabado de ler O Engenho dos Sonhos de Carina Portugal, e queria mais da autora; A Ponte das Almas Negras pareceu-me uma boa opção, sendo que desde que saiu que despertou a minha curiosidade.

A ideia por trás do conto é bastante interessante, mas não consegui adorar a história, e sobretudo por causa de Aurora. O facto de ser uma criança não me agradou, por nenhum motivo em específico, apenas não gostei. Penso que fazê-lo com um adulto ou um jovem seria igualmente bom e, do meu ponto de vista, seria uma mais valia para a história, tornando-a mais séria. Todas as consequências da idade de Aurora - a relação com as outras crianças, as relações familiares e por aí adiante - poderiam ser perfeitamente adaptadas para uma idade mais avançada, mantendo a mesma aura de inocência que se denota em cada página.
Tirando este aspecto, o conto é muito bom. Nada que um leitor atento não esteja habituado, pois Carina Portugal já nos provou vezes sem conta que é uma escritora magnífica. Os ingredientes para uma história bem escrita estão todos lá, e depois temos a Carina, que a escreveu, a cereja no topo do bolo.

Apesar de já ter lido alguns trabalhos da Carina que me arrebataram mais, não deixo de recomendar A Ponte das Almas Negras, repleto de ingenuidade e coragem. Uma boa leitura, como sempre.

You Might Also Like

2 comentários

  1. Obrigada pela opinião, Nádia!
    Se a Aurora fosse adulta, o conto era capaz de ser mais negro xD

    Beijinhos!

    ResponderEliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.