De volta!

abril 16, 2015

E de cara lavada!

É verdade, estava um pouco cansada do aspecto anterior do blogue e aproveitei estes dias para fazer umas alterações. O problema é que o meu browser, o Chrome, decidiu pregar-me uma partida e não aparecem os seguidores nem a opção de "seguir por e-mail". Mas noutros browsers aparecem... Pelos vistos não há nada que eu possa fazer!

Portanto, bem-vindos de volta. Espero que gostem desta mudança!

You Might Also Like

2 comentários

  1. Bem-vinda de novo, Nádia e com a cara lavadinha ficando ainda mais bonita. Parabéns! Por aqui aparecem os Seguidores e a opção de "Seguir por E-mail".
    Obrigado pelas postagens. Óptimas leituras. Felicidades.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigada pelo elogio Arnaldo! É bom saber :)

      Ainda bem que aparece. Se calhar é só comigo... é uma conspiração da Google :P

      Felicidades!

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.