Li até à Pág.100 #76

maio 06, 2015

- O Diário Perdido de Don Juan -


Primeira frase da página 100:
"[Encontra-se a sala api-]nhada de mesas, umas baixas, com pequenos tamboretes, outras com a altura apropriada para se comer, ladeada de bancos compridos."

Do que se trata o livro?
O Diário Perdido de Don Juan é, tal como o nome indica, um diário de Don Juan, no qual ele conta algumas das suas aventuras.

O que está achando até agora?
Não tendo qualquer expectativa em relação ao livro, estou a gostar muito. 

O que está achando do protagonista?
Don Juan é um eterno galanteador, e apesar de tratar de forma extremosa as mulheres, há sempre algo em si que me repele.

Melhor quote até agora:
Nenhuma.

Vai continuar lendo?
Claro que sim.

Última frase da página:
"Segundo consta, este homicida brutal [mas galante inspirava tal respeito à gatunagem de Sevilha que o seu filho era, só por isso, uma celebridade.]"

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.