Top Ten Tuesday #43

junho 02, 2015

Imagem daqui

10 livros que gostaria de ver adaptados ao cinema

Eu não tenho propriamente um gosto especial por adaptações de livros para filmes, mas há dois que adorava ver.

1. A Filha da Floresta e restante saga de Sevenwaters, de Juliet Marillier.
2. Filha de Sangue e restante saga das Jóias Negras, de Anne Bishop.

De resto, não há assim nenhum que eu realmente gostasse. Se pudesse, obrigava a uma re-adaptação decente dos seguintes:

3. O Príncipe Lestat, de Anne Rice.
4. A Rainha dos Malditos, de Anne Rice.

Pois a adaptação que foi feita foi vergonhosa... E também, para quê desejar mais adaptações, se ainda não vi tantas que há e que até estou curiosa?

5. Dracula, de Bram Stoker (sim, nunca vi um único).
6. Oliver Twist, de Charles Dickens.
7. A Luz / The Shining, de Stephen King.
8. Harry Potter (não vi os filmes todos!), de J.K. Rowling.
9. O Hobbit, de J.R.R. Tolkien.
10. Os Maias, de Eça de Queiroz.

Portanto, com tantas adaptações por aí e eu sem tempo ou paciência para as ver... desejar mesmo a sério, só as duas primeiras :)

E vocês, que livros gostariam de ver adaptados ao grande e/ou ao pequeno ecrã?

You Might Also Like

2 comentários

  1. Olá,
    deixo o link da tag de hoje no meu blogue já que também a sigo, não coincidimos foi em nenhuma escolha ;) http://leituras-do-instante.blogspot.pt/2015/06/top-ten-tuesday-livros-que-gostava-de.html

    Queria dizer-te também que o blogue no qual a tag teve origem, pede que se coloque sempre um link para lá e também que no post deles do dia podes colocar o link para o post do do teu blog ;)

    Bjs e boas leituras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! :)

      Eu normalmente não ponho porque a imagem que costumo usar tem referência ao blogue de origem :) No blogue deles não ponho nada porque grande maioria não fala português, portanto... :)

      Vou já ao teu ver as tuas respostas!

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.