[Novidades] Marcador - Setembro

setembro 13, 2015

TRONO DE VIDRO,
de SARAH J. MASS


Numa terra em que a magia foi banida e em que o rei governa com mão de ferro, uma assassina é chamada ao castelo. Ela vai, não para matar o rei, mas para conquistar a sua própria liberdade. Se derrotar os vinte e três oponentes em competição, será libertada da prisão para servir a Coroa. O seu nome é Celaena Sardothien.

Durante a competição, alguns dos concorrentes são encontrados mortos. Celaena irá mergulhar numa investigação solitária que a levará a alcançar descobertas surpreendentes. Conseguirá ela descobrir quem é o assassino antes de se tornar a próxima vitima?

À venda a partir de dia 16 de Setembro

Título: Trono de Vidro | Autor: Sarah J. Maas| Editora: Marcador | Nº de Páginas: 400pp.| Formato: 15,5*23cm | PVP: 17,50€ | ISBN: 978-989-754-177-3

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.