A Ler: Love Letters of Great Men, de John C. Kirkland

fevereiro 03, 2016

Love Letters of Great Men
Título: Love Letters of Great Men
Autor: John C. Kirkland
Editora: Createspace
Ano de Publicação: 2008
Número de Páginas: 140

When words of love do not come to you on their own, then read these letters. Complete, actual love letters of great men like Lord Byron, John Keats and Voltaire. Leaders like Henry VIII, George Washington, and Napoleon, who wrote to his beloved Josephine, "I awake consumed with thoughts of you..." Artists like van Gogh, Mozart, and Beethoven, who famously penned, "Though still in bed, my thoughts go out to you, my Immortal Beloved..." Dozens of intimate letters, coupled with over a score of period illustrations. Plus fascinating biographies, and insights into the couples' relationships-how they got there, the obstacles they faced, and what happened next. Poet warriors, from the first through the twentieth century, including: Ovid, Sir Walter Raleigh, Goethe, Nathaniel Hawthorne, Leo Tolstoy, Victor Hugo, Shelley, Robert Browning, Edgar Allen Poe, Mark Twain, Lewis Carroll, Pierre Curie, George Bernard Shaw, Jack London, Admiral Peary, Woodrow Wilson, and many more.

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.