A Ler: Os Limites do Encantamento, de Graham Joyce

abril 06, 2016

Os Limites do Encantamento
Título: Os Limites do Encantamento
Título Original: The Limits of Enchantment: A Novel
Autor: Graham Joyce
Editora: Bizâncio
Ano de Publicação: 2005
Número de Páginas: 328

Tentaram fazer-me o mesmo que fizeram à Mammy. Soltaram os cães. E, chegada ao ponto de contar o modo com isto foi feito, só pergunto o seguinte: porque foi que nós, os escolhidos, ficámos tanto tempo de boca calada? Porque dissimulámos a verdade? Porque preferimos andar de coração roído a correr o risco de contar tudo?

A história de uma jovem mulher, na Inglaterra de 1966: a filha adoptiva de uma feiticeira da região de Midlands, que ajuda as raparigas da aldeia a resolver os seus problemas. Será também ela bruxa? Mas onde acaba e começa a magia?

Uma história de velhos segredos e de uma nova vida.

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.