Um Conto, Um Ponto #35: The Vampyre - A Tale, de John William Polidori

janeiro 15, 2017

The Vampyre; A Tale
Título: The Vampyre - A Tale
Autor: John William Polidori

The Vampyre foi a primeira história em prosa inglesa acerca destas criaturas, sendo praticamente responsável pela criação da ideia do vampiro aristocrático e sedutor.

***********

A minha primeira experiência com o Serial Reader, uma aplicação que vos traz uma série de clássicos, um bocadinho por dia, para irem lendo com o passar do tempo. A escolha por este The Vampyre foi acidental, mas revelou-se uma óptima aposta. Desconhecia ter entre mãos o que viria a ser a mãe das histórias com vampiros bonitos e sedutores, e só depois de terminada a leitura é que soube desse facto.
É uma história que se lê muito bem mesmo, então via Serial Reader ainda melhor. A trama central do conto, a descoberta do vampiro, a forma como este se move entre a aristocracia... É muito interessante.

Quanto mais não seja, um bocadinho de conhecimento não faz mal nenhum! Leiam este The Vampyre, vale bem a pena e têm nas vossas mãos um testemunho de 1819 que molda, ainda hoje, tanta ficção moderna.

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.