Eu, o Bam... e o Dunn

abril 01, 2017

Pois é. Eu prometi mas acho que nunca cumpri e hoje, que o meu pequenino faz um aninho, venho aqui mostrar-vos o meu piolho, o meu outro bebé, o pequeno demónio que é sagradinho acordar por volta das 5h e miar durante cerca de uma hora. Queridos e estimados leitores, apresento-vos o DUNN:

Ele veio para minha casa no dia 19 de Maio, tinha um mês e meio. Era tão pequenino, tão amoroso!


O Bam não achou. Pelo menos, nas primeiras 24 horas. Depois, lá se habituou à ideia de ter uma bolinha de pelo a segui-lo por todo o lado. Até hoje, continua a adorar o Bam. Ao início, nem ronronava no meu colo, quando raramente vinha, só ronronava com o Bam. Agora, ao menos, já me dá algum crédito 😆



Portanto, parabéns para o meu bebé. Um aninho de Dunn, e que venham muitos mais das duas coisas mais fofas que há no mundo!

sempre à beira do Bam!

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.