[Opinião] Corte de Névoa e Fúria, de Sarah J. Maas

março 22, 2018

Corte de Névoa e Fúria (Corte de Espinhos e Rosas, #2)
Título: Corte de Névoa e Fúria
Título Original: A Court of Mist and Fury
Série: A Court of Thorns and Roses #2
Autora: Sarah J. Maas
Editora: Galera Editora
Ano de Publicação: 2016

Nessa continuação, a jovem humana que morreu nas garras de Amarantha, Feyre, assume seu lugar como Quebradora da Maldição e dona dos poderes de sete Grão-Feéricos. Seu coração, no entanto, permanece humano. Incapaz de esquecer o que sofreu para libertar o povo de Tamlin e o pacto firmado com Rhys, senhor da Corte Noturna. Mas, mesmo assim, ela se esforça para reconstruir o lar que criou na Corte Primaveril. Então por que é ao lado de Rhys que se sente mais plena? Peça-chave num jogo que desconhece, Feyre deve aprender rapidamente do que é capaz. Pois um antigo mal, muito pior que Amarantha, se agita no horizonte e ameaça o mundo de humanos e feéricos.

*****************************

Quando li A Court of Thorns and Roses há 3 anos atrás, lembro-me que gostei bastante e foi amor instantâneo pela autora. Depois de ler Corte de Névoa e Fúria, apetece-me bater com a cabeça na parede de não o ter lido antes. Esta série está em vias de se tornar uma das minhas favoritas. E, vergonhosamente, ainda não li os últimos volumes!

E desculpem-me, mas pela primeira vez trago-vos uma opinião com spoilers. É inevitável.

O final de A Court of Thorns and Roses deixa-nos aquele gostinho por Rhys, mas senti-me satisfeita com a relação de Feyre e Tamlin. Neste livro, preparem-se para odiar Tamlin. A história devolve-nos uma Feyre frágil e quebrada, inconsciente dos seus novos poderes. De início, ainda apoiei Tamlin, mas depois começou a ser demais... E eis que aparece Rhysand, em toda a sua sensual glória, qual herói negro e misterioso. Adorei o desenrolar da história e adorei ver a evolução de Feyre com ele. Tamlin praticamente desaparece da narrativa e, embora tenha sentido falta da sua presença, a reviravolta final justificou completamente. Uau... simplesmente uau! Mal posso esperar pelo seguimento da série - se o segundo volume foi assim tão brutal, apenas posso imaginar (e suspirar) pelo terceiro.
Neste livro somos apresentados a quatro novas personagens: Mor, Amren, Cassian e Azriel. A mais misteriosa e sombria é Amren, e espero ver mais acerca de si no próximo volume. Mor é uma querida, a amiga que toda a gente deseja ter - fiel e mortal. Cassian e Azriel são dois machos imensamente interessantes e também estou muito curiosa para saber como terminam as suas histórias. Mas vamos às estrelas: Feyre e Rhysand. Feyre está rapidamente a tornar-se uma das minhas personagens preferidas de sempre, apesar de achar a sua atitude para com Rhysand na altura em que volta a pintar um bocadinho exagerada. Quanto a Rhys, desculpa Daemon Sadi... mas o Rhys! Ai o meu coração!

Adorei, adorei, adorei. Uma leitura intensa, que vos vai deixar com um sorriso nos lábios para logo a seguir vos despedaçar o coração. Obrigada, Sarah J. Maas, por teres criado uma série de outro mundo. Acabar de ler um livro e sentir-se maravilhado pela história tanto tempo depois... é tão bom!

Falta-me apenas apelar a alguma editora portuguesa: por favor, por favor! Tragam esta série para Portugal! Preciso destes meninos na minha estante!

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.