E o BEDA foi assim

abril 30, 2018

Resultado de imagem para goodbye april

30 dias, 30 posts. Consegui 😃 Espero sinceramente que tenham gostado de me acompanhar durante este mês. Felizmente, a maior parte dos posts estava pronto desde Março. Ontem prometi uma explicação pelo motivo de eu ter falhado o Dewey's, e a verdade é que devido a um cãozinho que encontrei há uma semana e que não conseguia arranjar dono, isso virou-me a vida do avesso, pois todo o tempo livre que tinha era dedicado à procura de um dono e a tomar conta do bichinho, que não podia vir cá para casa por causa dos meus bebés, logo eu não estava em casa sequer... foi uma semana muito complicada. Neste momento está numa FAT, à experiência a ver se se torna definitiva. Vamos todos esperar que sim!

Ora vamos lá a um resumo do que se andou a passar!

Maratonas Literárias (mais que as mães!)


Opiniões


TAG's


Rubricas


Outros

Novidades Literárias SdE | 4 Estações

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.