[Maratonas Literárias] Spring Into Horror

abril 04, 2018


A primeira Maratona dedicada ao terror este ano já chegou. Iniciativa da Michelle do Seasons of Reading, conta com apenas um desafio obrigatório que, como podem adivinhar, consiste em ler um livro de terror ou que se inclua dentro do género de thriller, gótico, mistério, etc. Não é a primeira vez que participo na Spring Into Horror mas, se não estou em erro, no ano passado foi um bocadinho terrível, então vamos ver se este ano corre um pouco melhor.

Data: 1 a 30 de Abril

O Homem Do Colorado - Stephen KingA Nona ConfiguraçãoResultado de imagem para shirley jackson sempre vivemos no castelo

No que toca a terror, estas vão ser as minhas apostas. É provável que vá ler mais alguma coisa, mas a minha TBR inicial para a Spring Into Horror são estes três meninos.

Alguém desse lado vai participar?

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.