Mercado do Livro 2018

abril 06, 2018

Foto de Calendário de Letras.

Como não podia deixar de ser, lá fui eu mais uma vez ao Mercado do Livro do Porto. Este ano mudou de sítio e houve algo inovador, então vou dar-vos a minha opinião de tudo.

1. A mudança de sítio

Surpreendeu-me não ser no Palácio de Cristal, mas a ser sincera, aquilo era feio. O Palácio em si obviamente é bonito mas quem conhece o Rosa Mota por dentro e a forma como era usado para esta Feira, aquilo era simplesmente feio, árido, oco. A mudança de ares para o Museu da Sta. Casa da Misericórdia do Porto, para uma zona mais turística, caiu-me bem. O espaço em si é bem mais pequeno mas deu para a oferta e muito, muito mais bonito. Portanto, um ponto.

2. A iniciativa Livros ao Kilo

Eu achei interessante mas fartei-me de ver críticas a isto no Facebook. Sinceramente, não sei o que as pessoas querem. Se os livros são caros, é porque são caros. Se são baratos, é porque não há respeito pelos autores e mais não sei o quê. E estavam à espera de quê? De ver os últimos títulos nesta banca? Que todo o Mercado fosse assim? Eu acabei por comprar dessa banca um livro de 0,40€ que de outra maneira não iria ler nunca. Não conheço a autora, portanto nunca me aventuraria. Considero uma falta de respeito para com o seu trabalho? Não, até porque se gostar provavelmente vou ler mais obras suas e pagar por elas. A oferta desta banca não era muito grande, mas não posso apontar o dedo à Companhia de Letras por isso; é uma iniciativa engraçada, que de certeza agradou a muita gente, mas afinal de contas é um negócio e tem de dar lucro (quem me dera a mim ter nessa banca os meus autores favoritos!). Mais um ponto.

3. Os preços

Adorei um dos primeiros livros que peguei: "Preço de Editora - 15€ / Preço de Feira - 15€". Pronto... bom desconto 😆 Continuei a ver os livros da Charlaine Harris a 5€ cada um... até acho que nunca os vi a outro preço. E há um livro da Civilização, que se não estou em erro tem a ver com o 007, que também está seeeeeeeeeempre ao mesmo preço, seja Mercado do Livro, Feira do Livro propriamente dita, aqueles pequenos stands de livros que de vez em quando aparecem nos shoppings... Maior parte dos livros que comprei foram ao mesmo preço a que normalmente estão à venda, só houve três que comprei que realmente foram mais baratos. Para quem está atento aos preços praticados, as promoções não são realmente grande coisa - havendo, mesmo assim, livros baratos. 0 pontos - apesar de ter poupado bastante em dois dos livros que comprei, os preços dos outros eram atirar areia para os olhos dos clientes.

4. Mais acerca do espaço

Tenho pena que a lojinha de gomas já não exista à porta, mas pronto, sempre é mais uma maneira de poupar alguns trocos (boa, agora apetece-me gomas!). A banda sonora estava impecável. Ponto negativo para a desarrumação do espaço, com várias caixas à mostra, livros ainda por expor, livros sem preço... mas é a única coisa negativa que posso apontar. De resto, gostei muito. Tenho pena de não ter fotografias do espaço, mas a bateria do meu telemóvel estava num nível crítico. Podem sempre ver aqui, são as imagens com o interior de ferro vermelho. 0,75 pontos 😊

5. Finalmente, as comprinhas!

Gélida Luz (Favole #3)

Este livro para mim foi a melhor compra de todas. Eu adoro as ilustrações da Victória Frances e estes exemplares costumam ser caros, para além de não serem fáceis de encontrar. Só tive pena de apenas terem Gélida Luz, o terceiro volume, mas é melhor começar a colecção por este do que deixar passar!

Resultado de imagem para corte do ar
Resultado de imagem para Contos de Algernon BlackwoodResultado de imagem para mundo selvagem steven gould

A Corte do Ar, de Stephen Hunt - culpa da Elsa do Ordem D'Avis, que falou tão bem deste livro que foi dos primeiros que peguei. Orgulho Asteca e Sangue Asteca, de Gary Jennings, que me pareceu uma aposta interessante. Contos de Algernon Blackwood, de Algernon Blackwood, que podia jurar que o Fiacha já leu e me deixou com o bichinho. Mundo Selvagem, de Steven Gould pareceu-me diferente e algo que me vai agradar.

Resultado de imagem para por a casa em ordem matt ruffResultado de imagem para alçapão joão lealResultado de imagem para o chapeu briggs

Pôr a Casa em Ordem, de Matt Ruff. Desconheço por completo, mas pareceu-me muito promissor. Alçapão, de João Leal, passou-me ao lado até o meu namorado mo vir trazer e mostrar-me a sinopse - fiquei rendida. O Chapéu do Sr. Briggs de Kate Colquhoun deixou-me bastante intrigada e até posso estar enganada mas podia jurar que já vi críticas muito boas.

Resultado de imagem para a cortesa francesa gene wilderResultado de imagem para mulheres do outro mundo fadas e serpentesResultado de imagem para o regresso jane rogers

A Cortesã Francesa de Gene Wilder foi uma compra por impulso, tão simples quanto isso. Mulheres do Outro Mundo - Fadas e Serpentes, de Francisco Vaz da Silva, trouxe-o porque também já vi algures online que é um livro muito bom... eu queria trazer toda a colecção! O Regresso, de Jane Rogers, conquistou-me também pela sinopse. Claro, um ponto pelas compras!

Conclusão: 3,75 de 5. Não é mau, apenas não o suficiente para ser bom. Bastava o espaço estar mais organizado e as promoções serem realmente interessantes e seria um 5 de 5.

Qual a vossa opinião?

You Might Also Like

2 comentários

  1. Adorava ter ido, mas com o estágio é complicado.
    Alguns desses livros estão na minha lista de leitura :).
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que pena! :(
      Se quiseres um dia (um dia xD) fazer uma leitura conjunta, diz :)

      Beijinhos

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.