Onde anda o Bam?

abril 21, 2018

Quando me decidi juntar ao BEDA, o meu plano inicial era trazer-vos conteúdo realmente interessante e não encher o blogue com tretas que podem encontrar em qualquer site e Facebook. Por isso apostei nas opiniões, TAG's e afins... Mas hoje decidi dar destaque ao bebé que dá o nome ao blogue.

Isto foi depois de ter sido internado, com a patinha e a barriga depiladas
O Bam está comigo desde o dia 20 de Outubro de 2010. Foi trazido da rua (coitadinho, vinha a fugir do camião do lixo) e já tinha cerca de um ano. Sobreviveu aos outros dois pequenos que eu tinha na altura e durante alguns anos fui só eu e ele.
Em Dezembro do ano passado, descobri que o Baminho tem um problema nos rins. Ainda está na fase inicial mas já é o suficiente para ter de tomar medicação para o fim da sua vida. Apenas posso esperar que a medicação atrase bastante o inevitável e que ele fique comigo ainda durante muitos mais anos. Isto dá-me cada vez mais vontade de mudar o nome do blogue... um dia que o Bam já cá não esteja, não me sinto capaz de olhar para aquele cabeçalho da mesma forma.


No dia 19 de Maio de 2016 dei as boas-vindas ao Dunn. Foi adoptado de uma ninhada de rua e o Bam simplesmente não o suportava. Era um gato pouco dado, era raro procurar carinho e ronronar no colo, só mesmo com o Bam. Quando finalmente se adaptou ao bebé, até nas maminhas o Dunn mamava, e o Bam deixava. Hoje em dia é um gato extremamente chato (passa metade da vida a miar aos berros pela casa) e muito mimalho, embora deteste colo, a não ser que esteja mesmo muito frio na hora de ir para a cama.


A 29 de Novembro do ano passado decidimos adoptar o Wee. Eu queria mais um gatinho e depois de ver alguns para adopção, fui buscar este piolho. Ele tinha entre 3 a 6 meses e quer mandar cá em casa. Claro que, ao ser bebé, só quer brincadeira e tourada, e é raro o dia em que não anda à porrada, sobretudo com o Bam (o Dunn foge se lhe bater, mas o Bam dá de volta). É raro o dia em que não faz asneiras. E é raro o dia em que não vem para os meus braços na hora de dormir.

O Wee está bem maior agora!

Portanto, neste momento, é Eu, o Bam, o Dunn e o Wee 😃

You Might Also Like

2 comentários

  1. São todos tão giros *-* Adoptar é mais do que um acto de amor, é salvar uma vida. Neste caso, três vidas❤

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hehehe verdade :) Enquanto te respondo ao comentário tenho o Wee deitado em cima do meu ombro :D

      Eliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.