#ML122Dias | Wrap Up

junho 11, 2018

Enquanto escrevo este post, não tenho muita noção do que realmente consegui fazer. Em Abril ainda estive atenta às leituras, mas depois em Maio já não então não sei como foi o progresso com muita certeza. Tudo o que sei é que li livros que não contam para a Maratona 😂 Os Desafios Extras acabei por não fazer nenhum.


➢ Gerais

1. Carnaval – Ler um livro de um autor brasileiro
Lail-Ah - O Divórcio de Deus, de Hilton James Kutschka - 172 páginas

2. Dia do Amor/Dia dos Namorados – Ler um Romance
Valete de Copas e Dama de Espadas, de Joanne Harris - 52 páginas

3 – Ano Novo Chinês – Ler um livro de um autor chinês ou cuja história se desenrole na China.
A Noiva Fantasma, de Yangsze Choo - li talvez uma página, mas não vou sequer contabilizar.

4. Dia Europeu da Vítima de Crime – Ler um Policial
Vermelho como o Sangue, de Salla Simukka - 240 páginas

5. Dia Internacional da Vida Selvagem – Ler um livro com um animal (não doméstico) na capa
O Homem do Colorado, de Stephen King

6. Dia Internacional da Mulher – Ler um livro escrito por uma mulher
Margo, de Tarryn Fisher - 288 páginas

7. Dia Branco – Ler um livro de capa maioritariamente branca
Tash e Tolstoi, de Kathryn Ormsbee - 384 páginas (Kindle)

8. Dia do Pai – Ler um livro escrito por um autor masculino
A Nona Configuração, de William Peter Blatty

9. Dia Internacional do Livro Infantil/Dia Mundial da Criança – Ler um livro infantil, ou uma banda desenhada, ou mangá, ou edição ilustrada ou graphic novel
Gélida Luz, de Victoria Francés - 48 páginas

10. Dia Internacional da Felicidade – Ler um livro de humor (cómico ou divertido)
Playbook - O Manual da Conquista, de Barney Stinson e Matt Kuhn

12 – Dia do Livro Português/Dia do Autor Português – Ler um livro de um autor/autora português.
Lobos que Foram Homens, de Ricardo S. Amorim -  448 páginas

13 – Dia Mundial do Teatro – Ler um Livro de Teatro
A Midsmummer's Night Dream, de William Shakespeare

14. Dia das Mentiras – Ler um livro de Ficção Científica
Cinder, de Marissa Meyer - 416 páginas

16. Dia do Trabalhador – Ler um livro cujo protagonista tenha uma profissão que admires ou que gostaria de ter
Paranormalidade, de Kiersten White - 295 páginas

17. Dia do Sol – Ler um livro que te faça lembrar o Verão
Simon Vs A Agenda Homo Sapiens, de Becky Albertalli - 325 páginas

18. Dia da Europa – Ler um livro escrito por um autor europeu
A Árvore da Mentira, de Frances Hardinge - 421 páginas

19. Dia do Duende – Ler um livro de Fantasia
A Rapariga que Bebeu a Lua, de Kelly Barnhill -308 páginas

20. Dia dos Irmãos – Ler um livro dividido em dois ou mais volumes (nota: para contar este desafio deves ler todos os volumes dessa obra)
A Hora das Bruxas, de Anne Rice - volume I 362 páginas / volume II 485 páginas

Total: 4244 páginas

Acabei por completar 13 dos 20 desafios, nada mau. Fico contente com a minha prestação, e que venha a próxima!

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.