Top Ten Tuesday #77

junho 05, 2018


10 livros DNF

Esta categoria não é muito fácil para mim, pois só até há bem pouco tempo é que realmente decidi que a vida era curta demais para me perder em livros que não me estavam a interessar e comecei a deixar livros por terminar.

Trust Me, I'm Dr. Ozzy: Advice from Rock's Ultimate SurvivorDexter: A Mão Esquerda de Deus (Dexter, #1)A Comenda Secreta

1. Trust Me, I'm Dr. Ozzy: Advice from Rock's Ultimate Survivor. Comecei a ler e até estava a achar piada mas depois comecei a fartar-me e a deixar a leitura para trás. Meses depois é que decidi arquivar como DNF.
2. Dexter, a Mão Esquerda de Deus. O meu primeiro, o que me fez até criar a DNF shelf no Goodreads.
3. A Comenda Secreta. Um dos piores livros de sempre, que fui arrastando durante anos até simplesmente desistir.

The Black DeathViolino

Sinceramente, são apenas estes três. Há livros que estou a ler há bastante tempo e entretanto perdi-me na leitura, como é o caso de The Black Death ou Violino, mas não desisti de os ler.

Quando tinha muito tempo para ler, era mais fácil para mim ler livros que não me interessavam mas como tinha tempo de sobra, acabava por levar a leitura até ao fim. Agora, que o tempo é bem menos, acabo por não ter oportunidade para tal, até porque as minhas escolhas são mais ponderadas e dificilmente vou ler algo que vai acabar por ser rotulado como DNF.

E quanto a vocês? Como lidam com estes livros?

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.