Eu e a Escrita

janeiro 02, 2013

Desde pequena que escrevo, e é isto que tenho a dizer! Antes de saber escrever, passava horas na casa de banho a contar histórias inventadas ao meu cão. Com o passar do tempo comecei a escrevê-las, a odiar o que escrevia, a adorar, e a ficar encalhada sem saber que mais escrever. Já contactei editoras, imensas vezes, sempre com um NÃO. Até que me chega aos ouvidos a Escrytos. Portanto estou em pulgas porque finalmente vou conseguir publicar um livro! Não da maneira que sempre fantasiei, mas temos de nos adaptar ao mundo moderno e sempre é melhor que nada. Portanto amanhã vou tratar da papelada dos direitos de autor e ISBN's e afins, e estou muito entusiasmada! Assim que houver algo publicado, cá estarei para dar a notícia =D

Entretanto vou brincando com o Facebook que criei hoje para o Eu e o Bam. Vou andar pela lista de blogs que sigo e que também andem pelo Facebook e vou subscrever com esta nova página. Aguardem-me!

E por falar em Bam, deve andar pela rua uma gata com o cio, que o bicho está tolo! Passa tempos e tempos a miar, e depois vem-se roçar no chão todo meloso... Mesmo que ande por aí bichana doida, com quem é que ele vem dormir à noite? Love of my life =) Hahahaha!

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.