Requiem for a Dream - A Vida Não é um Sonho

janeiro 18, 2013



"Harry Goldfarb e Marion Silver formam um casal apaixonado: sonham montar um pequeno negócio e viver felizes para sempre. Porém, ambos são viciados em heroína, o que faz com que, repetidamente, Harry penhore a televisão da sua mãe para conseguir dinheiro.
Já Sara, mãe de Harry, é viciada em televisão... Cada um vive no seu mundo de obsessões. E o que faz um vício ser pior do que outro?"

Andava há imenso tempo para ver este filme, e finalmente consegui... porquê que não o fiz antes? É um filme fascinante, do início ao fim!
Os actores interpretam muito bem os seus papéis, o Jared Leto (Harry) e a Jennifer Connelly (Marion) fazem um casal muito interessante... no final desenvolvi um pouco de raiva contra a personagem da Marion, no entanto, tendo em conta toda a situação, quem sou eu para julgar... A veterana Ellen Burstyn (Sara) é também uma personagem muito especial, com momentos únicos e comoventes.
A história é apenas o que se passa na actualidade, o modo como a droga estraga a vida das pessoas, mas Requiem for a Dream é mais do que isso... o final está muito bem conseguido, a maneira como as quatro personagens... é melhor não contar, para quem quiser ver o filme!
Não posso deixar de lado, claro, a banda sonora. Sr. Clint Mansell... uma salva de palmas para este grande compositor! Nada a dizer, a não ser: perfeito.

Agora falta-me ler o livro, já o consegui encontrar, embora esteja em inglês, já cá o tenho ^^ Quando o acabar de ler (ainda ando à volta do Oliver Twist e d'A Mesa Real) dou uma opinião!


You Might Also Like

0 comentários

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.