A Ler: Os Inocentes, de David Baldacci - Sinopse

abril 11, 2013


Título: Os Inocentes
Título Original: The Innocent
Autor: David Baldacci
Editora: Clube do Autor
Ano de Publicação: 2012
Número de Páginas: 433


Os Inocentes é um livro viciante — tem cenas repletas de ação, personagens dinâmicas e complexas e a dose certa de sedução e mistério — que, no final, vai deixar o leitor a questionar os seus próprios valores.
Esta é a história de uma amizade que luta pela sobrevivência numa conspiração que atinge as grandes esferas do poder. Ao longo destas páginas encontramos um assassino com uma missão especial e uma jovem em fuga cuja sobrevivência depende da cooperação entre ambos.

You Might Also Like

2 comentários

  1. Olá Nádia,

    Bolas isto é que foi colocar mensagens no blogue, bem espero que estejas a gostar, parece-me um livro interessante ;)

    Depois comenta :)

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Pois foi, e hoje ainda me esperam três comentários, mais uma sinopse, e ainda o trabalho fora do e-mail, enviar e-mails e etc... Que bela forma de passar o Domingo! (e falo a sério, porque eu odeio domingos, ao menos passo a fazer alguma coisa que gosto ^^)

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.