A Ler: Athos - Viagem Dentro de um Peregrino, de Hélder Palhas - Sinopse [Chiado]

maio 15, 2013

Athos - Viagem Dentro de um Peregrino
Título: Athos - Viagem Dentro de um Peregrino
Autor: Hélder Palhas
Editora: Chiado Editora
Ano de Publicação: 2012
Número de Páginas: 311

Num mundo cada vez mais global são poucos os locais que ainda mantém as suas características iniciais.
Ainda menos são os locais onde as comodidades modernas e informação disponível no ciberespaço não sejam suficientes para um planeamento ao pormenor.
Mount Athos é uma das poucas excepções, com a particularidade de ser um centro Monástico Ortodoxo interdito a mulheres.
Esta obra relata as observações e pensamentos do autor durante a viagem ao local onde o calendário Juliano e a hora Bizantina (começa ao pôr do sol) ainda vigoram.
Vai com certeza lançar o leitor numa busca na internet e, quem sabe, incitar a que tenha uma experiência igual (infelizmente apenas para os do sexo masculino).

You Might Also Like

2 comentários

  1. Olá,

    Parece interessante sem duvida, quero ler a tua opinião ;)

    bjs

    ResponderEliminar
  2. Pois parece! Aliás, é :)

    Acabei de ler anteontem à noite, mas ontem não tive oportunidade de escrever nada aqui para o cantinho. Quando passei pela capa do livro, não me chamou tanto à atenção, mas depois de saber mais sobre ele (e aí tenho de agradecer ao autor), tinha de o ler. É mesmo muito porreiro!

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Obrigada por comentares :)

Um livro é muito mais do que um volume transportável. Um livro é uma mala que levamos connosco quando vamos viajar, pois nele temos tudo o que precisamos. Um livro é mais do que um bem comercializável, é o orgulho de carregar a alma em palavras do seu autor. Um livro é mais do que um livro, ao fim e ao cabo. É o nosso pai e a nossa mãe quando se precisa, nunca esperando mais de nós mas sempre lá para nos dar uma lição. É mais do que um amigo, pois não nos julga, não nos faz perguntas; ouve o nosso interior e responde às questões que nem nós sabíamos que tínhamos cá dentro. Um livro é mais do que um amante, duro como a realidade: umas vezes sonhamos e deleitamo-nos nas suas folhas, outras deixamos dobradas, riscadas, magoadas, outras deixamos a um canto e nunca mais olhamos. Desperta em nós uma panóplia de sensações: o toque da capa, da folha; o cheiro das páginas; o prazer da beleza da capa, das letras. Um livro é mais do que isto tudo, e ainda mais do que isso. Porque com ele viajamos, sonhamos, vivemos, aprendemos, amamos, sentimos, choramos e rimos, tudo sem sair do sítio. E uma façanha destas, vinda de algo tão pequeno e tão frágil, é quase comovente.